Você viu?

Hanói fecha cafés em ferrovia que atrai multidões de turistas em busca de selfies

Autoridades citaram preocupações de segurança

Turistas se reúnem próximos de onde passam trens; cafés ao redor dos trilhos serão fechados por segurança  - Kham/Reuters
Hanói

É o tipo de cena que fãs do Instagram gostam: trilhos seculares que cortam ruas empoeiradas, rodeados por turistas que bebem cerveja ou chá a centímetros dos trens que passam por ali.

Essa imagem se tornou tão atraente para visitantes em Hanói, no Vietnã, que autoridades estabeleceram um prazo neste fim de semana para a remoção de dezenas de cafés que surgiram no local, citando preocupações de segurança.

Construída em 1902 sob o governo colonial francês, a ferrovia leva às províncias do norte do Vietnã, e transporta passageiros e carga principalmente entre Hanói e a cidade de Haiphong, no leste, e as cidades de Lang Son e Lao Cai, na fronteira com a China.

Em Hanói, a linha passa raspando nos fundos de casas e lojas e entra pelo centro da cidade. Camelôs andam pelos trilhos vendendo lanches, enquanto visitantes sentam-se nas linhas férreas e observam os arredores. Nos últimos meses, no entanto, multidões se reuniram ao longo da ferrovia para tirar selfies com os trens em movimento ou descansar nos cafés à beira dos trilhos.

E, no último domingo, um trem teve de fazer uma parada de emergência logo após sair da estação ferroviária de Hanói para não atropelar turistas, segundo a mídia estatal. No dia seguinte, o órgão que governa a cidade ordenou a retirada dos cafés até sábado (12) para “garantir a segurança no trânsito”, a pedido do Ministério dos Transportes.

“Embora os cafés ferroviários atraiam turistas, eles estão de fato violando regras”, disse Ha Van Sieu, autoridade de turismo do governo, na terça (8).

De acordo com o The Guardian, agentes já haviam bloqueado ontem a passagem de dezenas de visitantes nos trilhos. Desapontados, os turistas criticaram a medida. 
 

Reuters

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Mais lidas