Você viu?

A viagem de Uber que custou quase R$ 37,5 mil

mulher chocada ao olhar preço no celular
Viagens curtas, de não mais que US$ 20 (R$ 75), se tornaram faturas de US$ 2 mil (R$ 7,5 mil) - Getty Images/BBC News Brasil
Descrição de chapéu BBC News Brasil

O aplicativo Uber chegou ao mercado de transporte nas principais cidades do mundo como uma alternativa mais barata em comparação ao táxi.

Além do preço, os usuários da plataforma encontraram uma vantagem no Uber que depois sua concorrência adotaria: mesmo antes de o carro ir buscá-lo, você sabe mais ou menos qual será o preço da viagem.

Com essa informação em mãos, você tem a opção de deixar de fazer o pedido se o valor não parecer razoável. No entanto, essa vantagem virou um pesadelo para vários usuários do Uber nos Estados Unidos.

Devido a uma falha técnica, faturas chegaram, em alguns casos, a fechar em um valor cem vezes maior que o orçamento informado no início.

Um dos usuários afetados pelo problema explicou no Twitter que houve uma cobrança no cartão de crédito da esposa dele de quase US$ 10 mil (R$ 37,5 mil).

A viagem deveria ter custado US$ 96,72 (R$ 360), mas a cobrança foi de US$ 9.672,00 –o equivalente a mais de R$ 36,2 mil.

Algumas das cobranças foram tão altas que ativaram os alertas de fraude do banco em que os clientes têm contas. O problema afetou passageiros em San Diego e Washington, nos Estados Unidos

O Uber disse que o problema foi resolvido rapidamente, mas se recusou a dizer quantos de seus passageiros foram afetados pelo erro.

Outra usuária do aplicativo informou que, por uma pequena viagem que ela fez, recebeu uma cobrança em seu cartão de US$ 1.905 (mais de R$ 7 mil) em vez dos US$ 19,05 (R$ 71) que deveriam ter sido cobrados.

Isso fez com que o cartão do marido dela atingisse o limite de gastos exatamente no dia de seu aniversário.

O problema atingiu mais usuários nas duas cidades dos Estados Unidos e quase todos os que relataram seus problemas nas redes sociais reclamam que não há nenhuma maneira direta de falar com a empresa para informá-la do problema.

"Ei, Uber, você cobra da minha esposa US$ 9.672 por uma viagem que foi orçada em US$ 96,72, e não há como entrar em contato com vocês", escreveu Aaron Himelman no Twitter.

A empresa disse que entende como a falha foi "frustrante" para os passageiros. Também garantiu que as taxas seriam corrigidas para que os passageiros pagassem apenas a taxa anunciada, sem precisar entrar em contato com seus bancos.

Mark Smith, diretor de operações do jornal The Washington Post, que foi afetado pelo problema técnico, disse que a lição que ele tirou dessa experiência ruim é que você não deve vincular um cartão de débito a uma conta Uber.

Ao contrário dos cartões de crédito, ao usar os cartões de débito para pagamento, o dinheiro é imediatamente sacado de uma conta bancária e pode levar até um dia para que qualquer valor reclamado seja devolvido, disse ele. (Veja abaixo, em inglês, a mensagem que ele escreveu no Twitter.)

A empresa, que é parte da chamada "economia gig" (também conhecida como economia colaborativa ou economia freelancer), vem ganhando mercado e incrementando os serviços oferecidos aos clientes.

A gigante do setor de transportes recentemente teve sua estreia na Bolsa de Nova York com valor de mercado de US$ 82 bilhões. A cifra foi menor do que os analistas esperavam inicialmente. Mas, embora a empresa tenha relatado perdas nos últimos anos, a oferta inicial de ações no mercado de ações despertou o interesse de grandes e pequenos investidores.

BBC News Brasil
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias