Você viu?

Por dentro do luxuoso avião presidencial que o México colocou à venda

López Obrador, que tomou posse no último sábado, tem dito repetidas vezes que vai viajar em voos comerciais, como fez durante a campanha eleitoral

Avião presidencial tem 57 metros de comprimento e capacidade máxima para 80 passageiros
Avião presidencial tem 57 metros de comprimento e capacidade máxima para 80 passageiros - BBC News Brasil/Secretaria da Fa

Descrição de chapéu BBC News Brasil
São Paulo

Uma das promessas feitas pelo novo presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, que mais repercutiu durante a campanha eleitoral, foi a de colocar o avião presidencial à venda.

E a intenção do mandatário, que tomou posse no último sábado (1º), é iniciar logo esse processo.

O anúncio foi feito no domingo por Jorge Mendoza, diretor-geral do Banobras, o Banco Nacional de Obras e Serviços Públicos do México, em entrevista coletiva no hangar onde está a aeronave.

"Honramos o compromisso de campanha do atual presidente Andrés Manuel López Obrador de vender o avião e aproveitar melhor o hangar em que se encontra", declarou.

López Obrador propôs vender a aeronave porque "nem Trump tem um avião como o de Peña", uma referência a seu antecessor, Enrique Peña Nieto.

Mas a crítica não é nova: "Aquele avião nem o Obama tem", dissera anteriormente.

A medida é parte da "austeridade republicana", como o novo presidente chama o programa de corte de gastos do governo que, entre outros objetivos, quer aumentar o salário-base dos trabalhadores do setor público.

COM ASSESSORIA DAS NAÇÕES UNIDAS

Mendoza afirmou que serão garantidas "as melhores condições no processo de venda e o uso eficiente dos recursos públicos".

Ele acrescentou ainda que o Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (UNOPS) vai oferecer assistência durante todo o procedimento.

"Esse apoio será muito útil para dar certeza e garantir ao povo mexicano total transparência em relação ao processo. Tudo será feito estritamente dentro da lei."

O avião deve ser levado para um aeroporto de logística localizado na Califórnia, nos Estados Unidos.

De acordo com a empresa americana Boeing, é o local mais adequado para a preservação (e manutenção) da aeronave, que é "patrimônio de todos os mexicanos", completou Mendoza.

O Boeing 787-8, mais conhecido como "José María Morelos e Pavón", foi comprado pelo governo mexicano em 2012, quando Felipe Calderón era presidente, e foi usado como avião presidencial a partir de 3 de fevereiro de 2016.

No total, realizou 214 viagens em um período de dois anos e 10 meses. A aeronave tem 57 metros de comprimento e capacidade máxima para 80 passageiros.

VAI VIAJAR COMO?

O Boeing 787-8 substituiu o Boeing 757-200, conhecido como "Presidente Juárez", que ficou a serviço do Estado por 28 anos. O custo total da aeronave foi de US$ 218,7 milhões. Desde o momento da compra, o valor gerou fortes críticas.

López Obrador disse repetidamente que vai viajar como fez durante a campanha eleitoral: em voos comerciais. Fotos e vídeos do avião presidencial foram compartilhadas pela Secretaria da Fazenda e Crédito Público do México nas redes sociais.

Após a coletiva de imprensa, os jornalistas foram convidados a conhecer o interior da aeronave. "Eles não vão se arrepender quando entrarem", disse Carlos Urzúa, secretário da Fazenda e Crédito Público do México.

Urzúa também informou que cerca de 60 aviões e 70 helicópteros que pertencem ao governo federal serão colocados à venda em breve.

BBC News Brasil
Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem