Você viu?

Campanha de papel higiênico preto revolta internautas por usar slogan de movimento negro

Campanha publicitária da Personal é ataca por internautas por usar slogan de movimento negro


​Após divulgar um novo produto do seu catálogo, um papel higiênico de cor preta, a marca Personal, pertencente a Santher - Fábrica de Papel Santa Therezinha S/A, está sendo acusada de racismo por usar como slogan o nome de um movimento negro, o "Black Is  Beautiful". 

A campanha da Personal, que usa a hashtag #BlackIsBeautiful, foi criada pela agência Neogama e começou a ser divulgada nesta segunda (23).  

A atriz Marina Ruy Barbosa é a estrela da campanha cujas imagens foram feitas pelo fotógrafo Bob Wolfenson. A artista usou o Instagram para divulgar o produto, mas sem usar a hashtag alvo de polêmica. Na manhã desta terça (24), a publicação apareceu bloqueada para comentários. 

Em comunicado enviado a jornalistas, a Personal afirma que "a cor sempre foi considerada ícone de estilo e refinamento nos universos de luxo e da moda" e que a "campanha reflete essa integração entre a cor e a sofisticação". 

A atriz Marina Ruy Barbosa é a estrela da campanha de papel higiênico

Criado na década de 1960 por artistas e intelectuais, o "Black Is Beautiful" surgiu nos EUA para enaltecer características físicas de negros. 

"Pessoas morreram para que essa expressão fosse reverenciada até hoje. Pessoas continuam morrendo e essa expressão é mais importante e vital que nunca", disse o escritor Anderson França, contrário a campanha, em publicação feita na rede social Facebook.

Pelo Twitter, internautas também criticaram a ideia. "No close errado de hoje, marca famosa usa o nome de movimento contra o racismo para promover uma marca de papel higiênico", disse um usuário do microblog.

"Usar #Blackisbeautiful como slogan pra vender papel higiênico, caras. Como é possível isso? Que coisa horrorosa", disse outro internauta.

OUTRO LADO 

Em nota enviada ao "F5" nesta terça (24), a Neogama e a Santher afirmam que retiraram o slogan da campanha e pedem desculpas "por eventual associação da frase adotada ao movimento negro, tão respeitado e admirado por nós."

Ainda de acordo com o comunicado, as empresas dizem que "nenhum outro significado foi pretendido", que refutam "toda e qualquer insinuação ou acusação de preconceito" e que lamentam "outro entendimento que não seja o explicitado na peça".






Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem