BBB21

BBB 21: Karol Conká fala mal de Rafa Kalimann em áudio vazado

Ex-BBB Kerline divulgou vídeo em seu stories com a voz da cantora ao fundo

Karol Conká apresenta 'Dilúvio', música inédita, na final do BBB 21 - Reprodução/Globoplay
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A ex-BBB Kerline Cardoso, 28, postou um vídeo em suas redes sociais onde é possível ouvir a voz que seria de Karol Conká, 35, soltando uma indireta para Rafa Kalimann, 20, do Big Brother Brasil 20. O vídeo teria sido gravado no camarim do BBB A Eliminação, que foi ao ar nesta quarta (5) no Multishow.

“Não deveria nem estar julgando. Tudo que vai volta. Me chamou de vazia, mas quem é que está com um programa vazio?”, diz a voz que seria da rapper, mas que não aparece nas imagens. Kerline postou o vídeo em seus stories, mas já sumiu de seu Instagram.

Na internet, seguidores das famosas entenderam que a mensagem seria uma indireta de Karol Conká para Rafa Kalimann, que estreou recentemente o seu programa de entrevistas Casa Kalimann, disponível na Globoplay. A animosidade entre as duas celebridades vem de meses atrás.

Em fevereiro, a apresentadora havia postado no Twitter que “Karol Conka é vazia”. O programa de Kalliman estreou na plataforma de streaming poucos dias após “A Vida Depois do Tombo”, sobre a vida da rapper.

A rapper acumulou polêmicas ao longo do mês em que permaneceu no BBB 21, que incluíram alegações que vão de assédio a tortura psicológica. Ela foi eliminada com 99,17% dos votos, recorde de todas as edições do programa.

Em entrevista no Faustão no domingo após sua eliminação, ela sinalizou ter se arrependido da decisão de entrar no reality. “Eu ainda não sei o que eu fui fazer lá dentro, o que eu fiz da minha vida. Tive uma crise de ansiedade, um distúrbio, dá para perceber, estava bem diferente do que eu já apresentava aqui fora, as pessoas que trabalham comigo também não me reconheceram”, disse.

Em entrevista ao Fantástico, ela se emocionou e relembrou de momentos da infância quando se sentia rejeitada na escola. “Teve um momento marcante de uma professora falar: ‘Você não conseguiu resolver essa equação porque você é preta e nasceu para limpar privada”.

Ela prosseguiu: “Um menino no colégio falou: ‘mergulhe numa piscina de água sanitária para falar comigo.’ Eu fiquei pensando: mas por quê? Aí eu vi que era porque dissolvia a cor. Aí eu molhei o dedo e fiquei passando no braço para ver se dava algum efeito.” Karol Conká também disse que acreditava em Papai Noel e pedia para ser branca para não sofrer.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem