Casa de Vidro do BBB 20

Concorrentes chegam à casa de Vidro do BBB 20 Globo/ Victor Pollak

Rio de Janeiro

Quem achava que teria que enfrentar uma fila quilométrica neste domingo para falar com os brothers da casa de vidro do BBB 20, se enganou. Localizada no shopping Via Parque Shopping, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, a atual moradia de Caon, 26, Daniel, 22, Ivy, 27, e Renata, 32, está bem acessível ao público na tarde deste domingo.

Cerca de 70 pessoas circulavam pelo local por volta das 13:30, e a fila não demorava mais de 3 minutos. Enquanto algumas pessoas se comunicavam com os brothers através do vidro, outras apenas ficavam do lado de fora comentando sobre o quarteto, que comemorou ao receber da produção um carrinho com caipirinhas. “Ôba, o álcool chegou!”, comemorou Ivy, fazendo um brinde com o público. Depois, todos os brothers festejaram juntos, com os copos para cima. 

“Vocês não cansam de ficar sorrindo?”, perguntou a Daniel uma senhora. Simpático, o brother sorriu mais ainda em resposta, mas indicou que a mandíbula estava doendo. “Eles pareciam ser mais fortes nas imagens da TV, né?”, comentaram duas amigas que observavam o movimento.

A técnica administrativa Ana Paula Bezerra, 36, levou a filha Manuela, 4, para interagir com os integrantes da casada vidro. Acompanhada da babá Cláudia Pegado, 56, e do professor de educação física Adriano Cruz, 40, ela disse que foi ao shopping para aproveitar a parte infantil, mas aproveitou para dar uma espiadinha no quarteto. 

Fã de BBB, Cláudia disse que se inscreve para o reality todos os anos. “Faço vídeo e tudo. Assisto ao programa o tempo inteiro e estou torcendo para o Daniel e para a Ivy, desta vez”, conta.

A babá faz ainda sua avaliação das polêmicas envolvendo o participante Petrix, acusado na web de ter empurrado Pyong na noite deste sábado (1º) ao atender o Big Fone. “Achei um absurdo. Por mim, o Petrix teria que ser descartado”, disse.

A técnica administrativa, no entanto, discordou: “Acho que ele não empurrou o Pyong, mas está mal visto aqui fora. Acredito que ele saia do reality com rejeição”.

A DJ Gaby Fleck, 29, moradora de Ibirubá (RS), cidade próxima a Selbach, onde Daniel foi criado, escreveu um cartaz para o gaúcho, que é seu amigo pessoal: “Daniel, estamos com você. Boa sorte!”.

Ao F5, a jovem elogiou o participante: “Ele é um menino muito gente boa. Conheço toda a família dele e ele também. Ele é um cara família e é legal demais. Merece ganhar”, disse ela, que está hospedada na casa da mãe, que mora no Rio, onde a casa de vidro foi montada. 

Fã de BBB, a pedagoga Ana Lúcia, 46 diz que não economiza tempo na frente da TV quando o assunto é o reality da Globo. Ela revela que tem dias que fica até cinco horas da manhã assistindo ao programa. Mesmo a contragosto do marido, não deixou de dar uma passadinha na casa de vidro.

“Torço para Ivy e Caon. Na verdade é porque não gostei muito dos outros, então foi uma escolha por eliminação”, conta.

Questionada sobre uma estimativa de quantas pessoas já passaram pela casa de vidro do BBB 20, a assessoria de imprensa do Via Parque Shopping afirma não ter este número, mas diz que os horários de pico da fila são após o almoço e durante as entradas ao vivo da Globo. Sobre a segurança do local, eles garantem terem reforçado todo o efetivo.

Esta é a quarta vez que o recurso da casa de vidro é utilizado no Big Brother Brasil. Este tipo de confinamento já foi utilizado nas edições 9, 11 e 14 do reality. O quarteto ficará confinado até esta terça-feira (4), quando serão anunciado os dois vencedores, que entrarão para a residência oficial do BBB 20. O elenco original não sabe que outras duas pessoas ainda vão entrar na casa.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem