Televisão

Juliette fala sobre exposição pós-BBB: 'Vivo minha vida enquanto acham que sabem dela'

Paraibana estreia nesta segunda-feira (13) como apresentadora no Multishow

Juliette Freire Fernando Tomaz/Divulgação

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

"Minha gente, eu sou ser humano igual todo mundo", lembra Juliette Freire, 31, ao F5, como quem ainda não se acostumou a responder às perguntas sobre a carreira e a vida pessoal desde que foi alçada ao posto de namoradinha do Brasil no começo deste ano.

A advogada e maquiadora, que venceu a edição deste ano do Big Brother Brasil (Globo) com mais de 90% dos votos —a maior porcentagem já alcançada em uma final do programa—, está tateando as oportunidades que surgiram desde então. E não foram poucas.

Há pouco mais de uma semana, lançou seu primeiro EP, com seis músicas. Fruto dos elogios que recebeu enquanto cantarolava pelos cantos da casa mais vigiada do Brasil. Nesta segunda-feira (13), ela faz sua estreia como apresentadora de TV, comandando uma temporada da parada musical TVZ no canal pago Multishow.

"Eu estou apreensiva, claro", confessa. "É uma novidade muito grande. Mas estou certa que será uma experiência incrível. Estou pegando o jeitinho de tudo e espero atender à expectativa dos meus fãs e dos telespectadores do Multishow."

Até 4 de outubro, ela vai apresentar clipes, interagir com os telespectadores e dar palinhas de seu recém-lançado repertório, além de receber convidados como Pabllo Vittar e a dupla Simone e Simaria. O programa vai ao ar de segunda a sexta, às 18h30, com duas edições ao vivo por semana (às segundas e quintas).

Apesar do glamour que a vida dela ganhou nos últimos meses, Juliette garante que tenta manter os pés no chão. Inclusive no que diz respeito aos relacionamentos amorosos. "Se eu for namorar, sair, paquerar, vai ser normal", afirma. "Não tenho problema quanto a isso, não."

O tempo não parece ruim na vida da paraibana nem quando surgem supostos namorados com quem ela mal trocou algumas palavras nas redes sociais. "Eu não posso controlar o que as pessoas inventam por aí", avalia. "Então eu simplesmente vou vivendo minha vida enquanto eles acham que sabem dela (risos)."

Leia abaixo a íntegra da entrevista editada.

Você fará sua estreia como apresentadora, como se preparou para essa novidade? Vai se inspirar em algum apresentador ou apresentadora que admira?
Eu estou apreensiva, claro. É uma novidade muito grande. Mas estou certa que será uma experiência incrível. Estou pegando o jeitinho de tudo e espero atender à expectativa dos meus fãs e dos telespectadores do Multishow. São tantas apresentadoras e apresentadores, que não saberia te dizer ao certo. Acho que uma mistura de todos (risos).

Recentemente, você lançou seu primeiro EP. Isso num momento em que você é uma das mulheres mais observadas e escrutinadas do país. É muita responsabilidade para alguém que está apenas começando na carreira musical. Como faz para se blindar dessa pressão?
O que eu estou vivendo hoje é muito novo para mim, mas estou sendo acompanhada por pessoas incríveis, que me ajudam e me acolhem. Encaro tudo com muita gratidão. Esse EP foi feito com muito carinho, espero que as pessoas percebam e recebam esse afeto.

Por falar em escrutínio, basta você aparecer ou trocar mensagens com qualquer homem, que todo mundo já quer arrumar namorado para você. Foi assim com Neymar, Ítalo Ferreira, Luan Santana, só para ficar em alguns. Isso atrapalha na hora de construir um novo relacionamento amoroso? Se estivesse namorando, conseguiria falar publicamente sobre o assunto neste momento?
Minha gente, eu sou ser humano igual todo mundo. Se eu for namorar, sair, paquerar, vai ser normal. Não tenho problema quanto a isso, não. Quanto às invenções, o povo é muito criativo, né? Eu não posso controlar o que as pessoas inventam por aí. Então eu simplesmente vou vivendo minha vida enquanto eles acham que sabem dela (risos).

Você era maquiadora profissional, mas hoje em dia é maquiada por outras pessoas para os seus trabalhos. Dá muitos palpites para os maquiadores que estão te produzindo? Tem algo que você não deixa ninguém fazer, só você mesma que faz no seu rosto?
Eu amo ser maquiadora, amo maquiagem, maquiar as pessoas, mas admito que eu estou adorando ser um pouco paparicada e ser maquiada por pessoas que inclusive eu admirava. Além disso, tenho aprendido muito sobre beleza e autoestima com esses profissionais. Não dou muito palpite, deixo que eles trabalhem, e a gente vai se entendendo. Tenho curtido muito o resultado, sinto que estou sempre em boas mãos.

No último episódio do seu documentário do Globoplay, você comentou que chegou a se arrepender de fazer as lives com cantores consagrados logo depois de sair do BBB 21 e que isso teria sido um passo maior que a perna. O que te incomodou ao se ver nessas participações? Costuma ser muito autocrítica?
Eu não me arrependo, porque as lives foram o pontapé inicial desse caminho novo que estou trilhando na música. Foi uma preparação muito especial para esse momento. Eu sou um pouco autocrítica sim. E foi nessa experiência que eu pude observar onde eu poderia melhorar. Um aprendizado mesmo.

Um dos momentos mais emocionantes do documentário é quando você lê uma carta que escreveu para sua irmã antes do BBB, no qual diz que estava trocando a estabilidade do concurso dos seus sonhos pelo reality porque queria sentir frio na barriga. O que te dá esse frio na barriga hoje em dia?
Cada trabalho novo que eu faço é um frio na barriga diferente para mim, ainda não consegui me acostumar. E agora com o lançamento do EP essa sensação se tornou constante. Acho uma delícia.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem