Televisão

Em 'Pega Pega', Elizabeth Savalla brinca sobre novo público: 'Mais careta'

Atriz formou triângulo amoroso com Marcos Caruso e Irene Ravache

Pedrinho Guimarães (Marcos Caruso) e Arlete (Elizabeth Savala)
Pedrinho Guimarães (Marcos Caruso) e Arlete (Elizabeth Savala) - Globo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A novela "Pega Pega" (Globo, 2017) voltou a ser exibida na faixa das 19h e, apesar de ter passado apenas quatro anos, desde a primeira vez que foi ao ar, os atores têm dúvidas de como o público vai receber a trama agora. Principalmente Irene Ravache, 76, Elizabeth Savala, 66, e Marcos Carus, 69.

Juntos, os três formaram na trama um triângulo amoroso, na pele de Sabine, Arlete (Elizabeth Savala) e Pedrinho, respectivamente. "Como o mundo está mais careta, duvido que queiram que a gente fique com o triângulo mesmo", afirma Savalla aos risos, em conversa online com jornalistas.

Ravache, por sua vez, destaca a importância de a escritora Claudia Souto tratar o tema das relações amorosas na terceira idade com naturalidade. "É a oportunidade de ver pessoas mais velhas ainda exercitando o seu direito de amar e de se envolver."

Para a atriz, todos os personagens da trama carregam uma sensualidade, o que cativa o telespectador. "É por isso que as pessoas torcem pelos bandidos", brinca Ravache, em referência ao enredo principal da novela, em que quatro funcionários roubam o dinheiro da venda do fictício hotel Carioca Palace.

"Os personagens não são maniqueístas, todos eles têm seu lado bacana e seu lado vilão", completa ela. A própria personagem de Ravache, Sabine, é cheia de contradições. Ama incondicionalmente o filho, Dom (David Junior), que na verdade foi sequestrado por ela ainda criança.

"Ela tem um discurso de que faz isso por amor. Não, ela faz isso porque é uma louca, desequilibrada, o que não a impede de amar esse filho", afirma Ravache. Além disso, Sabine não perdoa Pedrinho, papel de Caruso, por um erro cometido por ele no passado, quando ambos viveram uma grande paixão.

"Acho bom o público ver isso, porque todo mundo passa por coisas duras, difíceis e dolorosas. E há dois caminhos: ou você vai achar que o mundo lhe é devedor e vai criar uma amargura, atingindo as pessoas à sua volta; ou você vai cuidar da sua cabeça, seja por um curandeiro, um amigo, um psicólogo, um padre ou um psiquiatra."

Para Ravache, "Pega Pega", que na primeira exibição terminou com média de 29 pontos de audiência (melhor performance desde "Cheias de Charme", de 2012), seguirá tendo sucesso por ser uma história "bem contada, bem dirigida" e com uma acertada escolha de elenco. "Com exceção do Caruso, que qualquer pessoa faria melhor que ele", brinca a atriz.

Também presente na conversa com os jornalistas, Caruso entra na brincadeira. "Eu queria dizer que eu pedi ao STF [Supremo Tribunal Federal] um habeas corpus para poder ficar calado diante de tanta inverdade. Mesmo que o STF tenha concedido, eu quero falar."

"Triângulo é triângulo, a novela sobrevive de triângulos [...] Hoje já estamos no tempo de pentágono, hexágono, octógono. Quem não entendeu o triângulo é quadrado", brinca. Vale ressaltar que Lígia, personagem de Ângela Vieira, também é apaixonada pelo playboy Pedrinho, com quem já teve um affair.

Elizabeth Savala lembra ainda que a reprise de "Pega Pega" será uma boa oportunidade de matar a saudade de Nicette Bruno, que morreu em 2020, vítima da Covid. Na novela, ela faz o papel de Elza. "Se tivesse a vacina, ela estaria aí, mas como negaram, nós a perdemos."

A atriz destaca que o mundo, e especialmente o Brasil, vivem um momento muito difícil. "Eu nunca passei uma história tão trágica quanto a que o país está passando: de pobreza, de falta de saúde, de educação, de trabalho, de cultura, de falta de tudo. Tudo o que a gente prezou, pelo qual a gente lutou, a gente está por um fio para perder", desabafa.

"Acho que, neste momento, 'Pega Pega' entra no ar para fazer com que as pessoas riam, se divirtam, mas também pensem que há pessoas com malas de dinheiro", avalia. "A gente tem que estar alerta para que a gente volte a ter público nos teatro, para que a gente volte a ter paz, amor, verdade e alegria de verdade."

Por fim, a atriz faz um apelo aos jornalistas: "A gente precisa de repórteres no Brasil. No dia em que o jornalismo se calar, aí acabou mesmo. Nós estamos aqui para dizer a vocês: pelo amor de Deus, não desistam, continuem trazendo notícias verdadeiras, colocando no ar, porque vocês são a base da nossa democracia. Por favor, continuem", pede Savala, com o apoio do resto do elenco. ​

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem