Televisão

Elon Musk diz que tem síndrome de Asperger no Saturday Night Live

'Vocês acharam que eu seria um cara normal e relaxado?', questionou

Elon Musk, fundador da empresa Space X - Joe Skipper - 19.jan.20/ Reuters
Washington
AFP

O bilionário Elon Musk, 49, presidente da Tesla e da SpaceX, disse durante participação no programa de TV americano Saturday Night Live (SNL), que tem síndrome de Asperger e voltou a falar sobre a criptomoeda dogecoin.

Em seu monólogo de abertura do programa, o bilionário se gabou de ser a primeira pessoa com essa síndrome, que é um tipo de transtorno do espectro do autismo, a ser convidada para o SNL. "Ou pelo menos a primeira a admitir", afirmou.

"Sei que disse ou postei coisas estranhas, mas é assim que meu cérebro funciona. Para qualquer pessoa que ofendi, só quero dizer: reinventei os carros elétricos e estou enviando pessoas a Marte em um foguete", declarou. "Vocês acharam que eu seria um cara normal e relaxado?"

Musk já recebeu muitas críticas por alguns de seus comentários como sua zombaria pública à SEC (Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos) e por insultar um mergulhador que resgatou um grupo de crianças presas em uma caverna na Tailândia.

Mas no SNL, Musk fez piadas sobre si mesmo: seus tuítes, o nome incomum de seu filho... E, claro, como um grande promotor das criptomoedas, elogiou a dogecoin.

Pressionado a dizer exatamente o que era essa criptomoeda, o bilionário a descreveu como "um veículo imparável que vai dominar o mundo". Para depois acrescentar que realmente é ruído.

Assim, pela segunda vez na semana, Musk fez variar o preço da moeda, que caiu a US$ 0,49 (R$ 2,50) durante a transmissão do programa, quando pouco antes estava a US$ 0,74 (R$ 3,80), de acordo com a CoinDesk.

Durante o show, os atores do SNL se perguntaram por que o bilionário iria querer se juntar a eles no set. Mas, em seguida, falaram sobre o foguete chinês que entrou na atmosfera da Terra ao mesmo tempo em que o programa ia ao ar e concluíram que o empresário espacial "precisava de um álibi".

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem