Televisão

'Gênesis': Angelo Paes Leme diz que história de Terá é essencial para compreender Abraão

'História se assemelha à questão da aceitação de imigrantes no Brasil', diz ator

Angelo Paes Leme é Terá na novela "Gênesis" Edu Moraes/ Record TV

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Nos próximos 30 dias, a vida de Terá, interpretado por Angelo Paes Leme, 47, em “Gênesis” (Record), não será nada fácil. O ator adianta que o personagem passará por uma derrocada após uma vida próspera e bem-sucedida. Se por um lado o pai de Abrão triunfará na cidade de Ur dos Caldeus como comerciante e pastor, por outro verá seu casamento com Amat (Branca Messina) passar por crise.

"Casal passará por profundos conflitos. Amat se preocupa com o marido para que ele não perca suas crenças, raízes e essência com o sucesso alcançado. Mas a cidade oferece outra cultura, o mundo da competição, inveja, cobiça e da traição. É um mundo sedutor e perigoso e ele vai se encaixar ali", diz.

Por causa disso, a fidelidade com a esposa é colocada em cheque com o aparecimento de Nadi (Camila Rodrigues), que deixa o sacerdócio e exige que Terá oficialize o caso extraconjugal que eles mantêm há anos. "Essa mulher é a figura humana da tentação que abre as portas da cidade a ele. Demonstrará sinais de que quer aquele homem como marido. Não sei até quando ele poderá resistir", afirma Leme.

Nadi anuncia seu casamento com Terá, mas eles são interrompidos por Amat que traz Harã (João Guilherme Fonseca) para informar que Abrão (Rafael Sun) e Dnin-Sim Vitor Valle) foram capturados pelos amoritas. No episódio desta sexta (26), Shakur (Paulo Goulart Filho) diz a Terá que Danina (Laura Kuczynski) está grávida dele.

Nos próximos capítulos (a partir deste ponto texto contém spoiler), Terá e Nadi se casam após Abrão e Dnin-Sim serem resgatados. Danina procura uma feiticeira para não ter a criança. Amat se propõe a ajudar na criação do filho dela e diz a Nadi que o marido deve se casar também com Danina. Sharur exige que Terá se case com sua filha, e Nadi tenta colocar Danina contra Amat, que questiona o marido sobre o relacionamento dele com Deus.

Leme diz que a história de Terá é importante para que seja o início do entendimento sobre quem foi Abraão –serão 35 capítulos dedicados ao personagem. Terá é pai de Abrão, jovem que quando crescer passará a se chamar Abraão (Zécarlos Machado), um dos homens mais conhecidos da Bíblia.

"A vida de Terá está sempre sob ameaça, muita gente torcendo por seu fracasso. Um estrangeiro que chega e enriquece, como pode isso? Essa história se assemelha à questão da aceitação dos imigrantes no Brasil. São histórias que falamos sobre condição humana e conflitos familiares."

O ator afirma que, em breve, seu personagem começará a derrocada de Terá. Problemas no casamento, com o filho que vai crescendo e com outras pessoas na cidade serão frequentes. O ponto culminante, diz Leme, será uma tragédia ao final de sua participação que resultará numa grande perda.

"Haverá muitas reviravoltas", afirma. "O que resultará em uma série de desavenças, sofrerá dilaceração e vai viver um distanciamento. Para mim como ator, a gente vai vivendo a história, mas chega um momento em que há um desgaste emocional. São cenas de densidade dramática profunda. Algumas foram duras de fazer.", diz Leme, sem revelar o que acontecerá.

Como a trajetória de Terá não é explorada na Bíblia, o momento crítico que está por vir será parte de uma licença poética criada pelos autores Camilo Pellegrini, Raphaela Castro e Stephanie Ribeiro.

Para Angelo Paes Leme, "Gênesis" leva a muitas reflexões, como a familiaridade de temas. "São muitas coisas que passei a pensar. Essas histórias são familiares, falam de sentimentos e da condição humana. Ela nos faz refletir sobre a relação entre pais e filhos e sobre o que é essencial para nós."

Na avaliação do ator, cada pessoa tem o direito e a capacidade de entender a intenção das cenas. A identificação, portanto, é individual. Ele faz um paralelo sobre o que será mostrado na trama com o que se vê na sociedade atual. "Decisões que tomamos reverberam em outras pessoas e acaba por magoá-las. Tal qual na novela, hoje há muitas pessoas que se acham os donos da razão e que deixam de ouvir e de perceber o outro. Não pensam no bem comum. O egoísmo do enriquecimento é complicado."

"O que importa mais, na época e hoje, é você enriquecer e favorecer pequenos grupos. São muitas coisas que podemos refletir sobre. Por isso a história de Terá tem força. Muitas questões profundas que até hoje vigoram", diz o ator, que já participou de outras tramas bíblicas, como “José do Egito” (2013), “Milagres de Jesus” (2014) e “O Rico e Lázaro” (2017).

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem