Televisão

Personagem infantil com 'maior pênis do mundo' gera polêmica na Dinamarca

Animação 'John Dillermand' é exibida desde 2 de janeiro por emissora infantil

O personagem John Dillermand, que causou polêmica na Dinamarca
O personagem John Dillermand, que causou polêmica na Dinamarca - Reprodução
Copenhague
AFP

Um personagem de animação vestido com um traje de banho listrado, caracterizado por ter o "pênis mais longo do mundo", estreou recentemente em um programa infantil dinamarquês, criando polêmica no país escandinavo.

"Consideramos que é uma tarefa importante poder contar histórias sobre o corpo. Com a série, reconhecemos a nascente curiosidade (das crianças) pelo corpo e pelos órgãos genitais, bem como a vergonha e o prazer do corpo", defendeu a televisão pública dinamarquesa DR nesta terça-feira (5) no Facebook.

"John Dillermand" é um programa de animação transmitido desde 2 de janeiro pela Ramasjang, uma emissora infantil. O primeiro dos treze episódios teve 140.000 visualizações.

O programa é dirigido a meninos de quatro a oito anos e é protagonizado por John, um homem bigodudo vestindo traje de banho listrado de vermelho e branco e com seu pênis exageradamente comprido, representado como uma corda, que sai do calção quando ele o veste para atividades cotidianas, como levar seu cachorro para passear, andar de bicicleta ou passear no zoológico.

Este personagem costuma se encontrar em situações bizarras, chegando a voar sobre a cidade com o pênis preso a balões. "É um programa bem dinamarquês", disse Sofie Münster, especialista em educação nórdica, à AFP. "Temos uma tradição de ultrapassar os limites de uma forma humorística e considerá-lo totalmente normal".

No entanto, muitos dinamarqueses mostraram sua indignação. "Não acho que ver a genitália de um homem adulto deva se tornar comum para os meninos. Isso é um serviço público?", questionou a parlamentar de extrema direita Morten Messerchmidt no Facebook.

"Esse debate começa na perspectiva dos adultos, em que o pênis comprido é sexualizado, as crianças, por sua vez, têm uma perspectiva totalmente diferente", diz Münster.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem