Televisão

Primeira apresentadora trans da Bolívia amplia voz da comunidade LGBT+

Musicista Leonie Dorado aceitou trabalho na TV pela oportunidade de representar transexuais

Leonie Dorado, âncora transexual na Bolívia
Leonie Dorado, âncora transexual na Bolívia - David Mercado/Reuters
Mónica Machicao
La Paz

Leonie Dorado, 26, é a primeira apresentadora transgênero da Bolívia, um país tradicionalmente conservador, e que atualmente sofre com a pandemia de coronavírus. Como nova coapresentadora do programa boliviano Aby Ayala TV, Dorado aborda questões da comunidade LGBT com base em sua própria transição e experiência de vida como pessoa trans.

“A transição levou quatro anos”, disse ela, que se chamava Bernardo na infância, à Reuters. “No final do dia, eu não estava no corpo errado, estava procurando a maneira como queria projetar minha vida”.

A televisão nem sempre esteve nos planos de Dorado. Na infância, ela demonstrou habilidades promissoras como pianista e, eventualmente, seguiu carreira como cantora. Atualmente, ela está cursando licenciatura em música moderna no Conservatório Nacional de Música da Bolívia.

O trabalho na televisão ocorreu em meio à recente pandemia de coronavírus e ela não hesitou em aproveitar a oportunidade para representar a voz das pessoas trans. Dorado, cuja família apoiou sua transição, decidiu que era hora de compartilhar publicamente sua experiência com o objetivo de ajudar outras pessoas da comunidade LGBT+ na Bolívia.

“O grupo LGBT é um grupo de milhões de pessoas que exigem direitos humanos, direitos trabalhistas, direitos para que suas vidas sejam respeitadas”, disse. “Foi isso que me levou a fazer parte deste projeto.”

Em seu novo cargo, Dorado se concentra nos direitos de transsexuais e em suas problemáticas, principalmente em termos de saúde e trabalho. Ela também está escrevendo um livro para incentivar outras pessoas com seu lema pessoal: “Faça as pazes com seu corpo, coloque sua saúde em primeiro lugar, aposte em seus sonhos e seja feliz”.

Reuters
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem