Televisão

'Malhação: Viva a Diferença': Atores relembram os casais mais shippados da novela

Artistas revelam que gostavam de alimentar imaginação dos fãs

Tina ( Ana Hikari ) e Anderson (Juan Paiva) na balada dos anos 80 - Raquel Cunha/Globo
São Paulo

Quando “Malhação: Viva a Diferença” foi ao ar pela primeira vez, entre 2017 e 2018, na Globo, muita gente gostou do que viu. A novela do diretor Cao Hamburger chegava com um formato diferente: cinco protagonistas mulheres que moram em São Paulo, temas polêmicos e dilemas da juventude, como gravidez na adolescência.

Vencedora do Emmy Kids Internacional 2018, “Malhação: Viva a Diferença” voltou à programação da emissora por causa da pandemia do novo coronavírus e pela impossibilidade de manter gravações da nova temporada da novela. Com ela, voltaram os dramas das amigas Keyla (Gabriela Medvedovski), Ellen (Heslaine Vieira), Lica (Manoela Aliperti), Tina (Ana Hikari) e Benê (Daphne Bozaski).

Essa safra acompanha a história de amizade entre essas garotas de raízes e personlidades diferentes, que nasce a partir de uma experiência inesquecóvel: um paurto no metrô da capital paulista. As cinco amigas formam as Fives e precisam encarrar conflitos entre si, em relação às suas famílias e à sociedade.

"A temporada alia temas pertinentes, linguagem direta e, ao mesmo tempo, sensível e delicada. Consegue ser um entretenimento prazeroso, com conteúdo relevante", disse Hamburger;

Mas outro fator fez com que o público ficasse fiel à novela: o amor. A paixão se fez presente durante todas as fases do folhetim e arrebatou todas as protagonistas. E, claro, que nas redes sociais os casais logo foram shippados pelos fãs e ganharam verdadeiros fã-clubes e torcidas organizadas. Eles são lembrados até hoje.

Relembre a história de cada casal de “Malhação: Viva a Diferença”.


CASAL GUNÊ

Estrelado por Guto (Bruno Gadiol) e Benê (Daphne Bozaski), o casal fez sucesso e foi considerado um dos mais shippados de todos. A relação de ambos começava como uma amizade genuína, o que fazia bem para os dois, apesar de serem de universos diferentes. Logo o romance caiu nas graças do público.

"A partir disso muitas pessoas se identificaram e, também, acabaram torcendo para que eles ficassem juntos. Eu e o Bruno não imaginávamos que teria esse carinho todo. Me inspiro muito com a historia deles", diz Daphne.

Para ela, a repercussão os ajudava a entender como o público via os personagens. "Eu e Bruno sempre conversamos muito sobre Guto e Benê para entender o que estariam passando em cena, pois na hora de gravar o tempo é curto. Então ensaiávamos sempre antes de gravar.”

O ator revela que está entendendo agora os efeitos de uma reprise de novela. Tudo o que passaram é revisitado novamente. "As pessoas vão se sentir tocadas com a história de Guto e Benê de novo. Isso pode criar uma nova paixão, talvez até mais forte, somada com o público que já viu e amou."

O maior desafio pelo qual o casal passa e poderá ser visto de novo é a luta contra o preconceito. "No início eles mesmos não se permitem ver como um casal, mas quando começam a assimilar essa ideia as pessoas em volta estranham e julgam. Demorou um pouco para percebermos que: ‘eita, somos o casal mais shippado da temporada’. Mas assim que vimos, ficamos muito felizes e orgulhosos", afirma Gadiol.

CASAL TINDERSON

Formado por Tina (Ana Hikari) e Anderson (Juan Paiva), o casal Tinderson era um dos mais aclamados pelos telespectadores. E agora, na reprise, não deverá ser diferente. É o que espera Paiva. "Tinderson teve um poder enorme, repercussão muito grande e agora não está diferente. Recebo bastante mensagem nas redes sociais. Não é o mesmo número em proporção do que na versão original, mas é significativo. A gente vê que a galera tem carinho pelos personagens e continua adorando o casal."

Na narrativa, o preconceito é também o que toma a vida dos personagens. Ela é uma estudante de classe média, e ele um motoboy negro de periferia. Mas o amor não escolhe cor nem classe social. Eles tiveram de superar obstáculos para ficar juntos.

O ator lembra que Ana Hikari adorava alimentar a vontade por shippar o casal na internet. "Ana era muito dedicada ao casal, sempre me chamava para fazer vídeos, postagens e essas ações alimentavam nosso romance na ficção."

CASAL FELICA

Entrar na internet para ver os comentários a respeito de seus personagens era um verdadeiro ritual na vida dos atores Gabriel Calamari (Felipe) e Manoela Aliperti (Lica). Segundo o ator, era igual torcida de futebol.

"Lembro que o nome Felica, contração das palavras Felipe e Lica, era citado quase todos os dias em que olhava o aplicativo. Acompanhava sempre que podia, me tornei um tanto quanto adicto (risos). Lia todo tipo de mensagem a respeito do casal da novela, do amor ao ódio, do triste ao cômico. As pessoas se envolvem com a trama tanto quanto quem a produz", revela.

O mesmo acontecia com Manoela. "Quando o público shippa o casal na novela, isso é muito bom porque significa que estão gostando do que estão assistindo e curtindo o desenrolar do romance. Lembro de ficarmos muito felizes com a reação positiva do público. A opinião deles sempre foi muito importante para o desenrolar das histórias na novela", afirma. O casal também começou numa amizade que virou amor.

Calamari lembra que morava no mesmo prédio que Manu, então era mais fácil ficarem na mesma sintonia para as cenas. Conforme recebíamos os capítulos, vivíamos junto com o público as dores e delícias dos personagens. Ninguém tentava mudar o rumo da história, apenas desfrutávamos o prazer de interpretá-la.”

Mais para o fim da trama, Lica se envolve com Samatha (Giovanna Grigio), outro casal que foi muito querido pelo público. "Nunca tive torcida para que Lica terminasse com Felipe ou Samantha, ou quem quer que o autor decidisse. Espalha-se muita fake news sobre isso. A única coisa que sempre desejei foi que aqueles tempos [do romance entre Lica e Felipe] durassem por mais tempo, porque foi delicioso", diz ator.

CASAL JOTELLEN

Antes de “Malhação: Viva a Diferença” estrear, o ator Hall Mendes tinha como ritual entrar no Twitter para ver o que falavam sobre a novela, o que era repercutido e quantas curtidas a história ganhava. Porém, depois que a trama começou ele perdeu de vista os números e as interações. Tudo se multiplicava.

Na história, Jota, seu personagem, se interessava por Ellen (Heslaine Vieira), casal shippado pelo público. Mas ele tinha de conviver com um terceiro nome para tentar arrebatar o coração da mocinha: Fio (Lucas Penteado). “A disputa dessa dupla pela Ellen era bem legal de acompanhar nas redes. Eu sempre gostei de interagir com a galera que comentava a novela. Os nomes dos shipps sempre ficavam entre os assuntos mais comentados do Brasil”, conta.

Ele revela que a parceria com a Heslaine foi muito interessante e pode explicar um pouco do sucesso que a dupla fez. "Conheço toda a família dela, já passamos Natal juntos, já dormi na casa dela... Heslaine foi um presente que ‘Viva a Diferença’ me deu, por isso a galera começou até a confundir a nossa amizade, achando que tínhamos um relacionamento fora da novela", rememora.

Heslaine Vieira expressa a grandiosidade do casal Jotellen em números. "Eu me lembro de chegarmos a 98 mil curtidas e 1.398 comentários numa foto em que eu aparecia com o Hall Mendes (nosso Jota). Até porque somos, até hoje, melhores amigos e nossa química em cena era surreal. Os fãs repercutiam tanto que, às vezes, dávamos uns presentinhos para eles com fotos que criávamos fora dos personagens."

CASAL KEYLATO

"Realmente o casal Keyla e Tato tinha muita torcida. Imagino que muitas pessoas que não conheceram a história na época podem ver agora e torcer pelo casal e pelo filho, Tonico." Essa é a torcida do ator Matheus Abreu, que na trama faz dupla com a personagem de Gabriela Medvedovski.

A mocinha teve um filho que nasceu no vagão de um metrô, uma das cenas mais icônicas de toda a novela. E Tato assumiu o filho da amiga por quem é apaixonado. "Uma gravidez acarreta muitos desafios para qualquer casal e na adolescência isso só se complica, mas o senso de responsabilidade e o amor que nutre pelo Tonico só alimentaram a persistência de Tato", opina ele.

Para Medvedovski, é uma felicidade rever o nome do casal repercutir entre os amantes da novela. "As pessoas vão se identificar novamente, porque é um casal que quebra um padrão de mocinha e galã de novela. Keyla é humanizada nas suas atitudes precipitadas e impulsivas de adolescente, fugindo do padrão da mocinha apaixonada. Tato é um menino sensível, delicado, que também foge do estereótipo do galã sedutor."

Na história, em um certo momento, Tato e Keyla ficam um bom tempo separados, mas nada que faça o público esquecer do casal Keylato. "A gente ficava feliz de ver o reflexo do nosso trabalho e dedicação", diz a atriz.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem