Televisão

Série 'Arrow' foi a responsável pela volta dos programas de super-heróis na TV, diz diretor

Série estreia 8ª e última temporada neste domingo no Brasil

Oliver Queen (Stephen Amell) em "Arrow"
Oliver Queen (Stephen Amell) em "Arrow" - Divulgação
São Paulo

A oitava temporada de “Arrow” estreia neste domingo (27), às 23h15, na Warner com os dez episódios finais da série. As expectativas são várias, principalmente, com a saída de Felicity Smoak, interpretada por Emily Bett Rickards, 28, uma das personagens mais queridas dos fãs, e o retorno de pessoas que passaram pela trama em temporadas anteriores. 

Sem dar spoiler, o ator Stephen Amell, 38, que interpreta o protagonista Oliver Queen/Arrow, afirma que a nova temporada retomará grandes temas e tramas discutidos em temporadas anteriores. "Ele [Oliver] deixou muitas pontas soltas ao longo do caminho, mas espero que possamos atar o máximo possível delas durante a temporada." 

Embora não haja confirmação, a principal torcida dos atores é pelo retorno de Adrian Chase/Prometeus, vivido por Josh Segarra, 33, à trama. "Aquele escroto estava sempre dez passos à minha frente”, brinca Amel, que espera dar o troco agora. "Eu o amo. Ele traz energia e fogo reais para o show”, acrescenta Juliana Harkavy, 34, que faz Dinah Drake. 

Já na reta final para o término da série, o diretor James Bramford faz um balanço de tudo que passou nesses mais de sete anos e afirma que o show foi responsável pelo renascimento dos programas de super-heróis. “Vejo todas essas atrações de super-heróis que surgiram depois e sinto como se tivéssemos iniciado isso. É incrível.”

“Provamos o conceito de que é possível fazer uma série de super-herói na TV e conseguir que funcione”, concorda Amel, citando os spin-offs “The Flash”, “Legends”, Supergirl” e “Black Lightning”, além de “Iron Fist”, “Jessica Jones” e “The Defenders”. "Agora há muito mais séries como a nossa na televisão. Não vai durar para sempre, mas fico contente por termos chegado primeiro." 

Baseado na história da DC, "Arrow" ou "Arqueiro", conta a história do milionário Oliver Queen, que volta para casa após ficar cinco anos em uma ilha por conta de um naufrágio. Por trás da imagem de playboy, no entanto, ele retorna com uma identidade secreta e o desejo de derrotar criminosos que prejudicam sua cidade. No decorrer dos anos, os conflitos se tornam mais complexos e a turma de vigilantes, maior. 

Para Bramford, que dirigirá o primeiro e os dois últimos episódios desta nova temporada, a decisão de trazer a história para a TV aconteceu sem muita pretensão, mas no fim foi um sucesso, gerou ao menos quatro spin-offs, que regularmente reúnem seus personagens em crossovers, e com o mínimo de efeitos visuais. 

“Tentamos abordar esse programa de um ponto de vista muito prático e fazer com que tudo fosse o mais real possível. Ainda estamos constantemente tentando nos superar todos os anos, mas estabelecemos um certo padrão para a televisão desse gênero e estamos muito orgulhosos de nós mesmos." 

Em mais de sete anos, o diretor fala que foi criada uma relação forte entre elenco e equipe e recorda que estava gravando uma cena bastante complicada da segunda temporada, quando sua mulher entrou em trabalho de parto. "Tive que falar pros dublês 'acertem este, porque minha esposa está em trabalho de parto e eu tenho que ir. Não estrague tudo!', aí a cena foi perfeita." 

Com o término da série, Harkavy afirma que não sentirá falta das três horas de maquiagem que sua personagem exige, mas não revela muito de novos projetos. Já Amell, que é canadense, afirma que vai aproveitar o tempo livre para se estabelecer em Los Angeles, onde já tem uma casa, e conseguir sua cidadania americana. 

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem