Televisão

'Espelho da Vida' tem audiência menor que a antecessora e encontro de protagonistas no fim

Cris e Daniel acabam novela juntos e esperando um filho

Danilo (Rafael Cardoso) e Julia (Vitória Strada)
Danilo (Rafael Cardoso) e Julia (Vitória Strada) comemoram gravidez - Paulo Belote/TV Globo
São Paulo

Com média de audiência inferior à da sua antecessora, mas elogiada pela crítica, “Espelho da Vida”, novela das seis da Globo, chega ao último capítulo nesta segunda (1º) com final feliz entre o casal protagonista e cenas que prometem emocionar o público.

Escrita por Elizabeth Jhin, especialista na temática espírita, a trama falou de reencarnação, amores de outras vidas e viagens no tempo. Depois de ficar presa no passado e ver a própria morte, assassinada por engano pelo pai, Cris/Julia (Vitória Strada) é resgatada no presente pelo seu grande amor, Daniel (Rafael Cardoso). O encontro dos dois aliás, só aconteceu na sexta (29), a dois dias do fim da trama. 

“Cris e Daniel terão um encontro muito feliz nesta vida”, diz a autora. No episódio desta segunda (1º), Cris deve anunciar que está grávida de Daniel. O filho deve ser a reencarnação de André (Emiliano Queiroz), que, ao contrário do que se chegou a imaginar, não era um espírito. Com 87 anos, ele é o filho de Julia e Danilo (Rafael Cardoso) e morreu no penúltimo capítulo, no sábado (30), depois de cumprir a missão de juntar as almas dos pais.

A Globo não revelou como vai terminar Isabel (Alinne Moraes), mas alguns sites divulgaram que ela deve acabar morta ou presa depois de tentar matar Cris.

Ao contrário dela, “Espelho da Vida” mostra que Alain (João Vicente de Castro), que foi o vilão Gustavo na vida passada, consegue se regenerar dos erros na outra vida e vai acabar feliz ao lado de Letícia (Letícia Persiles) e da filha, Priscila (Clara Galinari).

No episódio final, todo o elenco da novela se reúne na festa de lançamento do filme sobre a tragédia de Julia Castelo, “Amor Infinito”.

AUDIÊNCIA

“Espelho da Vida” termina com média de audiência de 19 pontos no PNT (Painel Nacional de TV) _cada ponto equivale a 254.892 domicílios. O índice é menor que o da antecessora, “Orgulho e Paixão”, que teve média nacional de 23 pontos.

Em nota, a Globo diz que está “muito satisfeita” com a performance da trama. “É uma novela super bem escrita e dirigida, com excelente elenco e enorme qualidade de produção, uma obra que trouxe inovações na sua estrutura narrativa muito importantes para a empresa e para o gênero. Além disso, nas redes, a novela é um dos três programas diários mais comentados da Globo, desde a estreia [em setembro].”

Críticos de TV concordam que a novela foi bem, mas apontam que um dos grandes problemas da trama foram os seus primeiros meses, que demoraram a deslanchar.  “A autora demorou muito para apresentar a sua trama principal e os personagens do passado. Só em janeiro é que a novela realmente começou”, afirma Nilson Xavier, autor do “Almanaque da Telenovela Brasileira.”

De fato, em sua fase final, a história ficou mais dinâmica e conseguiu melhorar a performance. No último dia 26 de março, bateu recorde na Grande São Paulo com 23 pontos _cada ponto equivale a 73.015 domicílios na região.

Para Nilson Xavier, em seus meses finais, “Espelho da Vida” se tornou a melhor novela atualmente no ar. “Não entendo essa audiência baixa. É uma história envolvente, muito bonita de ver e com atores ótimos”, diz.

Claudino Mayer, doutor em comunicação pela USP (Universidade de São Paulo), concorda que a novela teve um começo difícil. “Ela demorou para engrenar, mas teve ótimas interpretações.” Para Elmo Francfort, diretor do Instituto Memória da Mídia, o público pode ter ficado confuso com as idas e vindas, entre passado e presente da trama.

A autora Elizabeth Jhin disse que está realizada com a novela. “Uma narrativa que contempla duas épocas ao mesmo tempo não é algo tradicional. Mas acho que o fato de os espectadores criarem teorias, tentarem desvendar os mistérios, e, principalmente, se emocionarem mostra que todos embarcaram na trama.” Especialista em tramas espíritas, ela diz acreditar “profundamente” em reencarnação. “Escrevo sobre o assunto com muita entrega e respeito.”

ELENCO

Para especialistas, um dos pontos altos de “Espelho da Vida” é o elenco. “A novela tem personagens e atores muito bons, que conseguiram fazer ótimas interpretações”, diz Nilson Xavier. 

Na maioria dos casos, um mesmo ator fez dois papéis, um no passado e um no presente. Irene Ravache (Margot/Hildegard), Vitória Strada (Cris/Julia), Reginaldo Faria (Vicente/Augusto) e Julia Lemmertz (Ana/Piedade) foram alguns dos que se destacaram ao longo da trama.

Para Xavier, Felipe Camargo é também um dos grandes nomes da novela. O ator fez dois personagens bem diferentes: o trambiqueiro Américo e o autoritário Eugênio, ambos pais da protagonista Cris/Julia (Vitória Strada). “O Américo, infelizmente, aprendeu a viver desta forma e acho que é incorrigível. Já o Eugênio foi ficando cada vez pior. A partir do momento em que ele percebeu que perdeu o controle sobre a família, sobre a mulher e a filha, ele se revelou um déspota terrível”, disse Camargo. O ápice de Eugênio é assassinar a própria filha por engano.

Para o ator, “Espelho da Vida” é uma das melhores novelas que ele já viu. Ele acredita também que a autora Elizabeth Jhin pode ainda surpreender o telespectador no último capítulo.

“O texto da autora apresenta vários ensinamentos espiritualistas, de amor ao próximo, de viver bem esta vida e que estamos aqui para evoluir. Acho que a grande resposta vai ser dada no último capítulo por ela”, diz.

Para Irene Ravache, ao viajar no tempo e transitar por dois períodos diferentes (1932 e o atual), a trama mostra um amadurecimento do público. “É uma novela muito moderna em sua linguagem, na abordagem e em como é feita”, afirma.

Ravache complementa que o mais importante é que a novela apresenta uma história humana. “Se não fosse uma boa história não prendia o público."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem