Televisão

Nathalia Dill afirma que interpretar Elisabeta foi instigante e emocionante

Trama de Marcos Bernstein termina nesta segunda-feira (24)

Casamento de Darcy (Thiago Lacerda) e Elisabeta (Nathalia Dill)
Casamento de Darcy (Thiago Lacerda) e Elisabeta (Nathalia Dill) - Divulgação
Cris Veronez
Rio de Janeiro

O casal "Darlisa" (Elisabeta e Darcy, interpretados por Nathalia Dill e Thiago Lacerda) agradou ao público e foi um dos acertos da novela das seis "Orgulho e Paixão". De carrancudo a príncipe encantado, o filho de Lorde Williamson (Tarcísio Meira) aprendeu a questionar seus preceitos tradicionalistas. O público pôde, então, testemunhar sua bela transformação pessoal a partir do romance com Elisabeta.

"O mais legal do casal é eles terem se encontrado de forma antagônica e, juntos, terem buscado essa mudança a dois, aceitando as diferenças e preservando suas individualidades, sempre com respeito, amor, carinho, alegria, humor. Esse é o grande ensinamento do casal da novela", afirma Lacerda.

Já Nathalia Dill festeja seu primeiro trabalho baseado em uma obra literária. "É muito emocionante ler o livro e depois fazer a novela. Foi a primeira personagem que fiz sobre a qual as pessoas já tinham alguma opinião. Essa história tem um legado gigante e agora cada vez mais. Foi instigante", diz a atriz, referindo-se à obra da escritora britânica Jane Austen (1775-1817), que inspirou a novela.

Outro casal que agradou foi Ema (Agatha Moreira) e Ernesto (Rodrigo Simas), que também precisaram se ajustar um ao outro. O casal "Erma" foi um dos mais shippados da novela. A primeira noite de amor do carcamano e da baronesinha foi um dos momentos que mais repercutiu entre os fãs. Ela se rendeu aos encantos do italiano Ernesto, mas já foi noiva de Edmundo (Nando Rodrigues) para ajudar financeiramente a família, e se envolveu com Jorge (Murilo Rosa).

"Acho que nunca tive tantos em uma trama só [risos]. É uma delícia. A curva da personagem está sendo muito legal. Ela passou por diversas coisas e mudou sua forma de viver e de olhar para o mundo”, avalia Moreira.

O amor também transformou a vida de Julieta (Gabriela Duarte), que iniciou a trama assombrada por um passado repleto de violências e traumas, mas mudou ao se apaixonar por Aurélio (Marcelo Faria). "Ele teve muita complacência, carinho e perseverança com a Julieta. É uma figura masculina que acolhe."

"Hoje em dia, as coisas estão muito rápidas. O amor não tem mais essa paciência da construção. É tudo descartável. O sentimento que existe entre este casal, que virou um fenômeno, é um resgate a essa questão. O amor não precisa ter pressa", reflete a atriz

TRAMA DESTACOU CENAS DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Um dos grandes destaques do folhetim foi a atuação de Maurício Destri, 27, como Camilo, filho de Julieta. A cena em que o filho da rainha do café descobre que é fruto de um estupro, além de todas as outras violências que seu pai cometeu contra Julieta, foi uma das mais marcantes da trama.

"Camilo foi transformador. Eu me sinto mais potente depois deste trabalho", afirma o ator. Ele ressalta a importância de levar ao público a história do nascimento de seu personagem. “Fui criado com uma família machista [...] Saí muito cedo da minha casa porque nunca concordei com esse tipo de atitude. Mais do que o machismo, lidamos nessa novela com a violência doméstica. Os casos no Brasil são recorrentes. É um alerta para isso, é histórico, é necessário, é importante alertar as pessoas e abrir espaço para este tipo de debate", diz Destri.

Outra cena que chocou o público foi a que mostrou Mariana (Chandelly Braz), vítima da vingança de Xavier (Ricardo Tozzi), tendo seus cabelos cortados. "Foi nossa maneira tocar no assunto da violência contra a mulher dentro desse horário das 18h, com alguma poesia e com o respeito que merece o assunto."

As sequências musicais da novela fizeram sucesso com o público e foram parar na internet. A primeira aconteceu em um sonho de Randolfo (Miguel Rômulo). Depois, houve outra no casamento dele com Lídia (Bruna Griphao). O fiel ajudante de Coronel Brandão (Malvino Salvador) é gago, mas consegue cantar sem gaguejar, o que lhe dá mais segurança. Outros personagens também participaram dos musicais.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias