Televisão

Miguel Falabella diz que toma caldo de rã todas as manhãs para aumentar a imunidade e o bem-estar

O ator está em cartaz com o musical 'Annie' em São Paulo

O ator e diretor Miguel Falabella
O ator e diretor Miguel Falabella - Karime Xavier-23.ago.2018/Folhapress

São Paulo

O ator, diretor e dramaturgo Miguel Falabella, 61, afirmou que toma caldo de rã diariamente pelas manhãs para aumentar a imunidade e o bem-estar. 

"Há 40 anos faço isso. Compro a rã, fervo, coo, coloco na geladeira. De manhã, esquento uma xícara em jejum e tomo", disse o artista em entrevista a Amaury Jr., que será exibida na próxima semana em seu programa na Band.

Falabella explicou que quando era criança foi a uma festa e uma mulher disse ela deveria tomar caldo de rã para nunca ficar doente. "Acredito que a rã aumenta a imunidade, o bem-estar. É um animal que se regenera."

O couro cabeludo liso é parte do visual de Oliver Warbucks, personagem do musical "Annie", que está em cartaz Teatro Santander em São Paulo. A montagem é dirigida por Falabella, que ainda tem a atriz   Ingrid Guimarães no elenco. 

A adaptação musical estreou na Broadway em 1977, com música e letras de Charles Strouse e Martin Charnin (como "Tomorrow", a mais famosa) e libreto de Thomas Meehan. Logo se tornou um dos maiores "family entertainment" (peças para adultos e crianças) do mercado de musicais e gerou a primeira adaptação ao cinema em 1982.

Falabella Tinha ideia de fazer de Annie, a garotinha que foge do orfanato por acreditar que seus pais ainda estejam vivos, uma menina de rua, com ares brasileiros. Também pensava em usar nos cenários e nos figurinos uma padronagem criada pelo grafiteiro Kobra.

Mas não teve autorização dos detentores dos direitos do musical para fazer adaptações. "Queria fazer um 'Annie' mais lúdico, menos americano, mas não pude. Eles exigem um padrão", disse Falabella à Folha, que costuma colocar elementos nacionais em suas versões de clássicos estrangeiros.

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem