Comic Con

CCXP: Especial Harry Potter, novo Homem-Aranha e aposta coreana marcam 1º dia

Principal evento da cultura pop acontece de forma virtual pelo 2º ano

Cenário da CCXP Worlds
Cenário da CCXP Worlds 21 - Divulgação
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

O primeiro dia da CCXP Worlds 21 não decepcionou os fãs de filmes e séries loucos por novidades sobre suas produções preferidas. Houve baixas sim, como a apresentação do reality Túnel do Amor, que será comandado por Marcos Mion no próximo ano, na Multishow, mas também houve muita surpresa.

No caso de Mion, a organização do evento afirmou que o painel foi cancelado por que o apresentador teria tido problemas pessoais que o impediram de comparecer. Mas os outros painéis conseguiram manter a tradição do evento de sempre trazer novidades, apesar de acontecer de forma virtual pelo segundo ano seguido.

Um dos painéis mais recheados de novidade foi o da plataforma HBO Max, que mostrou trailer e entrevistas do spin-off da série queridinha do público "Game of Thrones", que acabou em 2019. Os apresentadoras ainda deram o spoiler de que "House of Dragons", se passará 300 anos antes da história da produção original.

Outra franquia de sucesso que teve novidades no primeiro dia da CCXP é "Harry Potter". A história do pequeno bruxo, que já tem oito filmes, agora ganhará um especial em comemoração pelos 20 anos de sua estreia. O protagonista, Daniel Radcliffe, 32, fez até uma participação para anunciar a data do especial: 1º de janeiro.

E por falar em títulos já consagrados, a Netflix apresentou a nova versão da série mexicana de "Rebelde", que estreia em 5 de janeiro, e a Sony trouxe novidades sobre o mundo do Homem-Aranha. A sequência do longa animado "Homem-Aranha: No Aranhaverso" ganhará o nome "Através do Aranhaverso" e terá duas partes.

O ator britânico Tom Holland, protagonista de "Homem-Aranha 3: Sem Volta para Casa", também marcou presença, assim como antigos vilões da franquia. Já o Globoplay falou sobre as novas temporadas de "Aruanas", "Desalma" e "Sob Pressão" --essa última vai estrear pela primeira vez na plataforma antes de ir para a TV aberta.

O Globoplay, no entanto, não foi o único a focas as produções nacionais em sua apresentação nesse primeiro dia de CCXP. A atriz Maria Bopp e a roteirista Manuela Cantuária, falaram sobre "As Seguidoras", a primeira série original de ficção da Paramount+ no Brasil, que terá uma influenciadora serial killer e deve estrear em 2022.

Ainda entre os anúncios nacionais, a HBO Max teve Angélica como coapresentadora do evento e com direito a figurinos inspirados em personagens famosos, como Arlequina. Ela falou sobre seu programa, Jornada Astral, que estreia no próximo dia 21, assim como as cantoras Pabblo Vittar e Luísa Sonza também anunciaram seu reality de competição entre drag queens para março.

HQS E HOMENAGENS

A CCXP, no entanto, não é um evento apenas de cinema e streaming. Esse primeiro dia foi marcado também por debates, entrevistas, homenagens e anúncios relacionados do mundo geek. Os fãs de HQ, por exemplo, puderam acompanhar as novidades previstas pela DC Comics, Marvel e Planet Mangá.

Como é de costume também teve homenagens. A principal a feita para a cartunista Laerte Coutinho, que falou sobre seus 50 anos de carreira e aproveitou para soltar o verbo contra o governo Jair Bolsonaro (PL). "Não tem projeto político e o que funciona como projeto político é um horror, um pesadelo total", afirmou ela.

Francis Ford Coppola também marcou presença no painel de homenagem à franquia "O Poderoso Chefão", que será relançada em qualidade 4K, após processo de remasterização, nos cinemas. Durante bate-papo, ele afirmou que não esperava o sucesso que a trilogia teve, mas sim um enorme fracasso.

Considerada um dos grandes eventos de cultura pop no Brasil, a CCXP terá, ao todo, neste ano, 60 horas de conteúdo, menos da metade das 150 horas do evento de 2020, que também foi virtual. Para Roberto Fabri, CCO da Omelete Company, empresa organizadora e idealizadora da CCXP, no entanto, a qualidade está mais elevada.

Com isso, a organização espera um aumento de 20% nos acessos em comparação com 2020. Na ocasião, 3,5 milhões de pessoas participaram do festival, com um alcance em 139 países e cerca de 30 milhões de visualizações. Neste ano, é possível assistir gratuitamente à programação ou pagar R$ 50 pela experiência ampliada.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem