Comic Con

Daniel de Oliveira afirma que assistiu a autópsia de cadáver para atuar em história de terror

Em 'Morto Não Fala', ator interpreta atendente noturno de necrotério

O ator Daniel de Oliveira durante painel sobre 'Morto Não Fala' na Comic Con Experience 2018, em São Paulo
O ator Daniel de Oliveira durante painel sobre 'Morto Não Fala' na Comic Con Experience 2018, em São Paulo - CCXP/I Hate Flash
Leandro Vieira
São Paulo

"Eu cheguei em um IML [Instituto Médico Legal] e tinha um corpo que já havia passado por autópsia, todo costurado. Pedi para o funcionário abrir o cadáver de novo. Ele foi tirando órgão por órgão e me mostrando." Foi assim que o ator Daniel de Oliveira, 41, diz ter começado a preparação para o filme de terror "Morto Não Fala", programado para estrear em março de 2019.

Em palestra na Comic Con Experience, nesta sexta (7), ele contou que a aula prática o ajudou a interpretar Stênio, protagonista da história. Plantonista de um necrotério, o personagem tem o estranho dom de conversar com os mortos. Não bastasse isso, os defuntos começam a fazer revelações importantes de suas vidas. Stênio ainda enfrenta uma série de eventos sobrenaturais.

Essa é a segunda história do jornalista Marco de Castro adaptada para o cinema por Dennison Ramalho –a primeira foi o conto "Ninjas". Ramalho, que já trabalhou nas produções da Globo "Supermax" e "Carcereiros", usou referências para criar o ambiente sombrio do longa. "Eu me baseei nas histórias de George Romero, que iam mais pelos lugares periféricos das cidades", conta ele, citando o diretor americano de filmes como "Despertar dos Mortos" (1978) e "Dia dos Mortos" (1985).

​Fabíula Nascimento​, que contracena com Oliveira, conta que foi difícil interpretar Odete, mulher de Stênio. "Tem muito do físico em filmes de terror. Tem a questão da maquiagem, e demanda concentração. Há momentos em que já não é mais atuação, é físico puro", conta ela.

Ela ainda diz ser fã de filmes de terror, em especial "Cemitério Maldito", clássico de 1989 baseado no livro homônimo de Stephen King. Assim como Nascimento, Bianca Comparato também afirma ser amante de produções do gênero. "Adorava ir para uma fazenda e assistir a 'Exorcista' sozinha", lembra.

O diretor Dennison Ramalho afirma que o longa "Morto Não Fala" foi criado inicialmente para ser uma série. "Escrevemos um texto para 11 capítulos. A Globo gostou, mas disse que gostaria de ver a reação do público."

Com isso, o roteiro do filme foi desenvolvido a partir da ideia inicial do seriado. O diretor não descarta a possibilidade de a história ser contada no formato capitular.  Marco Ricca e o jovem Cauã Martins também estão no elenco.​

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias