Nerdices

Projota lança canal de games e dispara: 'Sou mais que o mano da periferia que faz rimas'

Cantor, que na infância só teve videogames defasados, montou quarto com vários consoles

Projota no quarto de games que montou em casa
Projota no quarto de games que montou em casa - Divulgação
Vitor Moreno
São Paulo

Projota, 34, não quer saber de paz durante a quarentena. O cantor e compositor aproveitou a pausa nos shows para tirar da gaveta um projeto que envolve sua paixão além da música: os games. Nesta terça-feira (18), ele estreia o Projota Game Room no YouTube. "Jogo games desde criança", contou com exclusividade ao F5. "Todo mundo da minha geração teve pelo menos uma fase de jogar, a diferença é que eu nunca parei."

Tanto que ele montou na casa dele em São Paulo um quarto só para se dedicar a essa atividade, de onde é gravado o programa. "É do tamanho do primeiro apartamento em que eu morei no centro de São Paulo", comparou. O espaço é equipado com uma TV de 82 polegadas, diversos consoles, fliperama e até um cockpit com volante (usado para jogos de pilotagem). "Parece uma nave espacial", comemora. "Muita gente vai pensar que é cenário."

O espaço foi projetado por ele mesmo e foi uma realização para o orgulhoso dono de um "Nintendinho" na infância. "A gente tinha sempre tinha o videogame ultrapassado", lamentou. Só em 2010, quando sobrou o primeiro dinheiro, é que ele o trocou por um Playstation 2. "Lembro até hoje que voltei de um show em Floripa e fui direto comprar na Santa Efigênia [região de comércio de eletrônicos em São Paulo]", revelou.

Ele disse que só não fica mais tempo lá do que no quarto de Marieva, a filha de seis meses que acabou de ter com sua mulher, a atriz Tâmara Contro. Esta, contou, foi uma das primeiras incentivadoras do novo canal. "Ela também é viciada em games", entregou. "A nossa rotina hoje é cuidar da bebê durante o dia e, à noite, quando ela vai dormir, descemos para jogar."

Tâmara, aliás, participa de um dos quadros do Projota Games Room, batizado de "Casal Que Joga", no qual os dois disputam um jogo e, quem perde, tem que cumprir um desafio proposto pelo público. Os dois gostam de jogar "de Mario Kart a Valorant".

Sozinho, ele também gosta de aventuras como "The Last of Us 2", que ele fechou na semana passada. "Tem jogos que eu fico semanas para terminar e a galera vai acompanhar", diz o cantor, que também assiste a diversos canais do gênero. "É gostoso pra caramba. A gente acompanha como se fosse um filme."

O carro-chefe, no entanto, é o "Vem Pro X1", uma espécie de "talk game show" no qual ele conversa com uma personalidade enquanto os dois jogam. Na primeira parte do bate-papo, o jogo é mais tranquilo para que a conversa flua melhor. Depois, quem manda é o espírito competitivo do convidado. Na estreia, ele recebeu o youtuber Gusta Stockler, do canal NomeGusta (que tem quase 245 milhões de visualizações).

Sobre o próximo convidado Projota faz mistério. "Só digo que é um cantor sertanejo", adiantou. Ele está sondando diversos amigos do mundo da música para saber quem curte games para ir chamando aos poucos. Já o entrevistado dos sonhos é o youtuber Alanzoka (que tem quase 6,4 milhões de inscritos em seu canal). "É um cara que eu quero jogar junto", afirmou. "Ele é muito divertido."

Projota diz que a conversa que rola enquanto ele e o convidado jogam vai sempre versar sobre assuntos relevantes para a sociedade. "É uma maneira de trazer o jovem para falar sobre esse tipo de assunto", avaliou.

A experiência como entrevistador, aliás, o faz sonhar mais alto. "Tenho vontade de apresentar algo na televisão, acho legal pra caramba", contou. "Esse lance de gravar para a câmera é uma coisa que eu sempre quis. Eu sentia que eu tinha isso dentro de mim. Principalmente quando eu comecei a frequentar os programas de televisão e a ganhar desenvoltura."

E o Projota Game Room não deixa de ser uma porta de entrada para esse universo. "Esse projeto, editado de outra maneira, é extremamente vendável", avaliou.

Antes da estreia, ele já tem duas semanas de material gravado (são dois programas por semana). "Não queríamos produzir tanto antes de sentir o feedback", explicou. "E o mundo dos games também é muito dinâmico, não adianta deixar pra frente porque queremos aproveitar o que está bombando."

No meio da pandemia, as gravações foram com pouquíssima gente e muitos cuidados. "Foram os mesmos cuidados que tivemos quando fiz a live", comparou. "Foi tudo muito bem planejado e produzido. Vieram apenas duas pessoas e elas deixaram uma estrutura montada para eu gravar algumas coisas sozinho."

A ideia é que, passada a fase de isolamento social, os convidados possam comparecer até a casa de Projota. Por enquanto, os encontros foram virtuais.

O cantor, que lançou o álbum "Tempestade Numa Gota D'Água" neste ano, também disse que já retomou um pouco da rotina com shows em drive-ins. "Eu tinha muito medo, tava bem receoso", contou sobre a nova experiência. "Mas foi menos diferente do que eu pensava. Você pelo menos está vendo as pessoas, consegue ver que elas estão gostando."

Ele afirmou que a agenda de apresentações não vai atrapalhar as gravações do canal. "O difícil era dar o start, agora eu sei que já está tudo estruturado para fazer as gravações. Eu tenho outros projetos que a gente também tem começado a pensar. Está tudo muito bem planejado."

O canal, segundo o cantor, é também uma forma de humanizar a imagem dele. "Muita gente ainda acha que rapper tá sempre de cara fechada", comentou. "Existe um preconceito muito grande em cima do nosso movimento, porque ele bate de frente e fala o que ninguém tem coragem de falar. As pessoas criam um estigma: 'é os mano da periferia que faz umas rima'. Mas a gente é muito mais do que isso."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem