Nerdices

Com time anunciado há um mês, Corinthians vence Campeonato Mundial de 'Free Fire'

Assunto dominou o Twitter na tarde deste sábado (16)

Com time anunciado há um mês, Corinthians vence campeonato mundial de ‘Free Fire’
Com time anunciado há um mês, Corinthians vence Campeonato Mundial de ‘Free Fire’ - Divulgação
Rio de Janeiro

O time brasileiro do Corinthians foi o grande vencedor do segundo campeonato mundial do game “Free Fire”, cuja final aconteceu neste sábado (16), no Rio de Janeiro.

Com uma equipe composta pelos jogadores Japa, Fixa, Pires, Levelup007 e Nobru, o time acumulou 2.300 pontos ao longo das oito quedas (nome dado às partidas do game), garantindo a vitória frente às outras 11 equipes que participavam —e levando US$ 200 mil para a casa.

Os russos do Sbornaya ChR e os tailandeses da Illumitane ficaram em 2º e 3º lugar, respectivamente, levando US$ 80 mil e US$ 40 mil (confira abaixo a relação completa do placar final).

O Corinthians conseguiu se manter nas primeiras colocações nas primeiras quedas, mas acabou caindo ao longo das partidas. Na penúltima e última quedas, ele conquistou o “booyah” (vitória da partida) e recuperou a chance de vencer.

No primeiro mundial, que aconteceu em abril, a Indonésia foi a vencedora. Na época, a equipe do Corinthians ainda não tinha sido anunciada (o time surgiu no início do outubro).

Além dos corintianos, o Brasil teve um segundo time representante: a Loud, formada por um dos principais influenciadores do jogo, Bruno “PlayHard”, mas que ficou em 9º lugar na competição. “Todo mundo aqui é Brasil. Corinthians é Brasil, Loud é Brasil”, afirmou ViniZx, da Loud, antes da partida.

PlayHard afirma que o time não estava tão preparado para enfrentar estratégias muito diferentes, mas que não faltou dedicação. “A gente trabalhou duro. Não temos nem um ano de time, e conseguir chegar ao mundial é muito difícil, ainda mais com a pressão que temos dos torcedores”, diz. “Nosso time é muito entrosado, tem sessões de treinamento de até oito horas por dia. Eles moram na mesma casa, e todos tem um talento individual”.

Mais de 4.500 pessoas acompanharam a final presencialmente, dentro de uma arena no Parque Olímpico do Rio. As competições ainda foram transmitidas por meio dos canais oficiais do "Free Fire" no Facebook e Youtube —neste último, ultrapassando um milhão de “current views” (pessoas assistindo simultaneamente).

O assunto também dominou os “trending topics” (assuntos mais falados) entre os brasileiros no Twitter. Até o final da tarde deste sábado, os quatro assuntos mais comentados eram relacionados ao campeonato.
 

Veja o placar final do Campeonato Mundial de ‘Free Fire’:

1º lugar: Corinthians (Brasil) - US$ 200 mil
2º lugar: Sbornaya ChR (Europa) - US$ 80 mil
3º lugar: Illuminate (Tailândia) - US$ 40 mil
4º lugar: LGDS (Taiwan) - US$ 12 mil
5º lugar: Infinity Esports Mobile (LATAM Norte) - US$ 10 mil
6º lugar: Team Flash (Vietnã) - US$ 10 mil
7º lugar: Arctic Gaming (América do Norte) - US$ 6 mil
8º lugar: Dranix Sports (Indonésia) - US$ 6 mil 
9º lugar: Loud (Brasil) - US$ 4 mil 
10º lugar: Infinity_YT (Oriente Médio) - US$ 4 mil  
11º lugar: Nawabzade (Índia) - US$ 4 mil  
12º lugar: Samurai Team (LATAM Sul) - US$ 4 mil   ​

MVP DO BRASIL

Nobru, do Corinthians, foi escolhido o MVP do mundial, ou seja, o “jogador mais valioso” do campeonato. "É um sentimento inexplicável. Só tenho a agradecer. Independente de se fosse a gente ou a [equipe] Loud, eu queria esse título para o Brasil", disse. "Nosso time não tem essa de jogar agressivo ou recuado [...] Conforme as partidas, a gente vai mudando nossas táticas".

No ano passado, foi Ariano "Kronos" Ferreira, da GPS Veteranos, quem levou o título. Atualmente o jogador está na Vivo Keyd, que não se classificou para a disputa de 2019.

“Acho que o ‘Free Fire’ não vai cair rápido, igual a alguns jogos mobile”, afirma PlayHard. "O tempo de vida dele será maior, porque ele tem um investimento de estrutura. Ele é esse fenômeno por ser o primeiro jogo mobile que qualquer pessoa pode baixar e jogar. É muito acessível, já que não tem que ter um celular caro. Não precisa ser um gamer profissional, o que o torna uma porta de entrada para o mundo dos games."

A jornalista viajou a convite da Garena.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem