Nerdices

The Division 2 é lançado três anos após 1º, com escala real, servidores locais e melhor endgame

Nick Scurr, produtor do jogo, contou detalhes do lançamento da Ubisoft

"Tom Clancy's The Division 2" Divulgação

Beatriz Vilanova
São Paulo

Para garantir a ordem em Washington, uma equipe de agentes precisa combater facções que ameaçam a vida que restou na cidade. Essa é a premissa de "Tom Cancy’s The Division 2", que chega às lojas pela Ubisoft nesta sexta-feira (15), três anos após o lançamento do primeiro jogo.

Nick Scurr, que integra o time de produtores do game, esteve no Brasil para divulgar o lançamento e contar detalhes da novidade. Uma delas é que, frente ao sucesso do primeiro jogo no Brasil – o país é o 7º com mais jogadores, uma fração de 620 mil dos 20 milhões mundiais – o novo jogo terá servidores locais e DLCs (conteúdos pós game) gratuitos. 

“Fizemos muitas melhorias em termos de arrumar bugs, erros e estruturas. O jogo está com certeza mais estável”, afirma Nick. “O que eu mais queria mudar em relação ao primeiro era o endgame e as missões extras, acrescentando novas facções e diferentes inimigos. [...] Focamos muito no final do jogo. Há muito conteúdo diferente e posterior”, adianta.

No endgame, o jogador poderá escolher entre três especializações para seu personagem, cada uma com armas e habilidades diferentes. Também conhecerá uma nova facção e enfrentará a Zona Cega, onde o objetivo é sair vivo e captar equipamentos, sem ser roubado por outros jogadores.

Foram dois anos e uma equipe com centenas de pessoas para desenvolver a nova história do RPG eletrônico. Segundo Nick, a principal mudança do jogo vem da experiência do jogador com o cenário e ambientação, que passam de Nova York para Washington. D.C.

“Washington é uma cidade mais variada e não tem arranha-céus como Nova York. Tem parques e vários pontos de referências que vemos na TV e nos filmes, e que podem ser explorados”, diz. “Se os agentes vão reconstruir o país, têm que começar por aqui”.

Ele conta que foram analisadas as anatomias de desastres durante o período de pesquisa e que o jogador perceberá marcas de temporalidade em simples detalhes, como uma árvore de Natal sendo vendida em um supermercado. “Queríamos criar com realismo o que realmente acontece em uma situação como aquela. Sem o caminhão de lixo funcionando na cidade, por exemplo.”

Um dos pontos explorados foram as variações de luz dentro e fora de cada ambiente. “Queríamos que os jogadores realmente sentissem o calor e exploram isso nas missões, porque parte delas é buscar águas e suprimentos para civis ainda vivos na cidade. E é diferente, os efeitos climáticos se alteram, há tempestades”, diz.

Com mais autenticidade, o jogo também é feito em escala real, diferente do primeiro, e por isso “se você for andar da Casa Branca ao Monumento, terá a mesma passagem do que a realidade.”

“Mandamos pessoas para Washington no verão para ver como era a cidade, a decoração da época, como a chuva se parece”, explica. 

O cenário avançado permite uma variedade diferente de armas, proteções, habilidades e caracterizações dos personagens. “Há pistolas, espingardas, lançadores químicos e até drones. E cada habilidade ou arma tem diferentes versões. Com os drones, por exemplo, dá para assaltar, atacar ou ajudar amigos.”

“Há a chance de criar o seu próprio personagem, escolher entre homens e mulheres, e mudar detalhes como os olhos, colocar tatuagens, roupas, barbas, cabelo… Há várias coisas para que o jogador se conecte com o personagem.”

Tudo isso é necessário, uma vez que as ameaças também estão maiores. Saqueadores itinerantes, extremistas e até agentes traidores se aproveitam do caos em "The Division 2", dando espaço para a anarquia e a instabilidade. Para sobreviver e completar as missões, é preciso coletar loots e ir melhorando o personagem a cada missão.

Ao todo serão três histórias lançadas ao longo de 2019, e Nick garante: “Adicionaremos novas missões, mapas, modos de jogo e muitas especializações.”

“São três facções criminosas que você lutará contra. Mas, completando as missões, nem tudo estará resolvido. Novas facções podem surgir, organizações avançadas e muito mais. Há muito conteúdo vindo por aí.”

"Tom Clancy's The Division 2" será lançado nesta sexta-feira (15) para PC, PlayStation 4 e Xbox One. Logo após o lançamento, a atualização Tidal Basin será lançada já com a base de operações da Pata Negra (facção do endgame). Depois disso, virá a raid Operation Dark Hours.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias