Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Música

Chrystian fala da carreira solo e declara voto em Bolsonaro: 'Um patriota'

Cantor sertanejo nega briga com irmão Ralf e não descarta volta da dupla

Cantor sertanejo Chrystian

Cantor sertanejo Chrystian Fábio Nunes/Divulgação

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Já são 40 anos de carreira, mas é agora que o cantor sertanejo Chrystian, 65, afirma ter alcançado a liberdade que sempre quis para fazer parcerias e até mesmo para participar de programas de TV. Famoso ao lado do irmão Ralf, ele diz que nem sempre os dois queriam a mesma coisa e a solução era ceder.

"A gente não fazia televisão, não gravava de jeito nenhum com outros artistas porque ele não queria. O único artista com quem a gente gravou até hoje foi Agnaldo Rayol, fizemos a [música] 'Minha Gioconda', da trilha sonora da novela ‘Rei do Gado’", diz Chrystian cantando um trecho da música.

Mas agora é diferente. Ele celebra as oportunidades da carreira solo, e garante que o desabafo não significa que os irmãos tenham brigado ao encerrar a dupla, mas agora quer coisas novas. Segundo ele, algumas "regras", como a de não gravar com artistas do sertanejo universitário, eram da dupla, não suas.

Chrystian diz que tem o direito de mudar, pensar diferente e gravar músicas com quem ele quiser. "Se eu não pensasse assim, ainda estaria gravando músicas em inglês até hoje", diz ele, que gravou discos em inglês durante dez anos e emplacou trilhas em novelas antes de formar, em 1983, a dupla com Ralf.

"De repente, mudei para o sertanejo, da água para o vinho. Agora, eu mudei de novo", diz o sertanejo, que lança nesta sexta-feira (20) seu segundo single solo, "Se eu Bebo, eu Choro", nas plataformas digitais e um videoclipe em seu canal no YouTube. Bem-humorado, ele diz que a música é ideal para colocar o sofá de lado e pegar a parceira para dançar. "Para quem gosta de música do tipo bolero, é uma delícia."

Nos próximos meses, ele quer lançar outras canções inéditas, como "Amor é que Nem Ônibus" e a romântica "No seu Corpo Nu", que lembra as músicas que ele cantava em inglês, como "Don’t Say Goodbye". Também vai gravar em parceria com o cantor Paraná, da dupla com Chico Rei, que deve ser incluída em um DVD, ainda sem data de lançamento. "É uma música meio Trio Parada Dura, bem modão."

Mesmo sem descartar o retorno com Ralf, Chrystian diz que isso não deve acontecer tão cedo, já que assinou contrato de exclusividade de cinco anos com uma agência. Os irmãos também não têm se encontrado desde o fim da dupla, apesar de não ter havido brigas. "Na realidade, eu e Ralf sempre fomos de se ver muito pouco. Eu moro há 35 anos na Serra da Cantareira [em SP] e ele foi duas vezes na minha casa", diz.

Apesar do anseio pelas mudanças profissionais, Chrystian não deve inovar nas urnas nas eleições deste ano. Ao ser questionado sobre sua posição diante dos recentes debates da classe artística em torno do tema, ele diz que deve repetir o voto no presidente Jair Bolsonaro (PL), apesar de evitar declarar apoio publicamente.

"Eu penso que tenho fãs da direita, da esquerda, amarelo, tenho fã preto. Eu não quero desagradar ninguém, eu prefiro ficar fora desse rolo", afirma o cantor antes de elencar as razões de seu voto. "Ele é muito patriota, eu gosto muito. Eu tenho dúvidas com relação à honestidade dos outros candidatos, e até agora eu não tenho dúvida nenhuma da honestidade do Bolsonaro."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem