Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Música

Feat de Dulce Maria e Marília Mendonça vira homenagem

'Amigos con Derechos' é lançada 40 dias depois da morte da cantora brasileira

Dulce María lança single póstumo com Marília Mendonça
Dulce María lança single póstumo com Marília Mendonça - Divulgação
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Dulce María, ex-integrante do RBD, lançou nesta sexta-feira (17) o clipe de um feat póstumo da música "Amigos con Derechos" que gravou a distância com Marília Mendonça, que morreu num acidente aéreo no dia 5 de novembro em Minas Gerais.

No clipe, divulgado pela cantora mexicana no YouTube e nas redes sociais, há imagens da dupla gravando separadamente trechos da música. Também foram utilizados vídeos de shows de Marília, bastidores e imagens da cantora grávida do filho Léo, que completou dois anos em dezembro.

"Eterno e lindo. Obrigado, Marília, por sua generosidade, seu coração tão grande, sua humildade, por cantar comigo, por capacitar outras mulheres, incluindo eu. E obrigada por este grande presente que me deixou para compartilhar com as pessoas antes de partir", disse Dulce María.

Em vídeo divulgado no Instagram três dias antes do lançamento, Dulce María contou que, desde agosto, estava em contato com Marília. Ela disse que foi muito difícil gravar a música e não tinha certeza se lançaria o feat póstumo. "Como muitos de vocês sabem, ela estava aprendendo espanhol porque queria seguir uma carreira internacional. Ela gravou em dois dias e tínhamos as vozes em espanhol e português."

Renato Aires, diretor da InHouse Idiomas, em Catalão, a 250 quilômetros de Goiânia, é o professor de espanhol que foi procurado, em agosto, pelo ex-aluno Gustavo Marques, que é compositor e funcionário da Work Show, escritório que gerenciava a carreira da brasileira.

Marques estava com Marília no estúdio durante as gravações da música em espanhol e mandou os áudios por WhatsApp para o professor. Ele fez a revisão da pronúncia das palavras em espanhol. "Ela fez as correções e mandaram a música de novo [para eu ouvir]. Ficou super legal. A música é um espetáculo."

Aires afirma que havia pequenas correções de pronúncia que são erros comuns de brasileiros ao falar o idioma. "A pronúncia estava excelente [para quem nunca havia estudado espanhol]", afirma.

Duas semanas depois, a cantora começou a fazer aulas de espanhol, uma vez por semana, pela ferramenta de videoconferência Zoom. Ele revela que, mesmo com 20 anos de carreira, ficou inseguro no primeiro dia de aula quando se conectou para falar com Marília Mendonça. "Quando ela abriu o Zoom do quarto dela, da intimidade, foi como se fosse uma pessoa que eu conhecesse há muito tempo."

Segundo o professor, Marília estava muito entusiasmada com o lançamento da música com Dulce María, de falar com um público hispânico e de expandir sua carreira. "Ela estava muito feliz em estudar e quando aprendia [algo novo] compartilhava no Instagram e me marcava", diz Aires.

Nos três meses que lecionou espanhol para a cantora, o professor identificou nela muita facilidade em aprender o idioma. Ele explica que normalmente os alunos têm muita dificuldade na pronúncia do som das letras "v" e "b", mas, para Mendonça, o aprendizado foi mais fácil.

"Na primeira, segunda aula, ela já tinha internalizado isso. Obviamente tem muito a ver com a questão da oralidade. Ela tinha ouvido para músicas. Tinha essa vantagem que era o ouvido sensível."

Com a retomada dos shows, o professor diz que a cantora começou a ter um pouco de dificuldade de manter o mesmo dia e horário das aulas, mas mesmo assim não perdia a empolgação em aprender espanhol. "Tudo o que ela aprendia de novidade ela celebrava na aula, demonstrava muita alegria e tinha um caderno onde que anotava tudo."

Ele conta que quando viu pela televisão o acidente com a aeronave em que a cantora viajava, os destroços e o caderno que ela carregava com letras das músicas, lembrou-se de outra característica de Marília: registrar tudo à mão. "Ela gostava de fazer isso nas aulas também e falava ‘professor, espera que vou anotar’. Tinha uma preocupação com o registro’", diz Aires.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem