Música

Lauana Prado lança álbum focado em suas origens: 'Necessidade de reconectar'

Primeira parte de 'Natural' estreia nesta quinta; clipe sai nesta sexta

Lauana Prado Ricardo Brunini/Divulgação

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Pronta para compartilhar suas origens com o Brasil inteiro, a cantora sertaneja Lauana Prado, 32, apresenta o primeiro volume de seu álbum visual “Natural”. O projeto conta com 17 faixas e será divulgado em três partes, a primeira --com oito canções-- nesta quinta-feira (30), e as outras duas ficam para 2022.

“Estou tipo uma mãe de 38 semanas, quase indo para uma sala de parto”, brinca a artista sobre o lançamento do trabalho. O primeiro vídeo, da música “Zap”, chega ao canal da cantora nesta sexta-feira (1º) e já apresenta o cenário paradisíaco que Prado se propôs a compartilhar com seu público.

A cantora revela que as gravações do projeto foram feitas em 12 dias de viagem, e os clipes eram filmados de madrugada, por volta das 4h, para registrar o nascer do sol no Jalapão, em Tocantins. Apesar de Prado ter nascido em Goiânia, ela diz que cresceu e começou sua carreira no estado e agora busca uma forma de retribuir tudo o que aprendeu graças ao local.

“[Senti necessidade de] me reconectar com as minhas origens, com o lugar de onde eu vim e onde minha vida artística começou”, explica em entrevista ao F5. Para a artista, o projeto precisa ser lançado separadamente para que o público entenda a mensagem e também encontre suas origens, para passar por um recomeço após a pandemia.

“Como a humanidade está vivendo um recomeço, achei que seria uma mensagem bacana de levarmos para as pessoas”, comenta. Além disso, para ela, é uma oportunidade de apresentar o Tocantins para muitas pessoas no Brasil que ainda não conhecem e “fazer com que aquela população que vive especificamente do turismo, também tenha condição de ter trabalho e melhoria de vida”.

Em paralelo ao álbum visual (trabalho acompanhado por clipes), a artista também criou uma série documental, que acompanha desde o início da escolha de repertório do projeto às gravações. “Desde o início, da criação do repertório, da concepção artística, isso tudo foi filmado”, comenta, “conseguimos registrar desde o embrião”.

Prado pontua que essa sensação de proximidade e transparência é algo que já acompanha sua relação com seus fãs, para além do âmbito profissional. Ela diz que até em seu relacionamento recebe carinho e apoio dos fãs, apesar do meio do sertanejo ainda enfrentar muita resistência.

“Exerço minha sexualidade com muita liberdade, muita convicção e tranquilidade”, pontua, “minha relação com a Verônica [namorada da cantora] tem esse apelo, a nossa militância está na nossa vida”. Para a artista, a representatividade e militância, tanto na sexualidade quanto na política e questões sociais, vai além de ter discursos na internet e redes sociais.

“Só conseguimos respeito e espaço quando agimos com naturalidade e mostramos que existe uma relação saudável, que dispensa toda e qualquer manifestação negativa”, completa a cantora que reforça que “o que tem que ser levado em consideração são os exemplos”.

Quanto à carreira, a naturalidade também sempre esteve presente. Agora, ela se prepara para uma turnê internacional na Europa, atrasada devido à pandemia de Covid-19. “Já estamos vivendo uma boa fase, sendo essa da retomada dos shows”, pontua. A artista também diz que pretende continuar fazendo colaborações e parcerias com diversos cantores.

“Já gravei com artistas da música urbana, rap, hip-hop, rock, reggae, recentemente gravei com o pessoal do forró com o Xand Avião e a Solange Almeida”, contou ela que falou que não gosta de se restringir em seus projetos. “O Brasil é muito grande para nos limitarmos em uma sonoridade só.”

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem