Música

Mumuzinho investe em parceria com sertanejos: 'Me cobravam muito'

Cantor lançou faixa 'Tomara' em parceria com Matheus e Kauan

Mumuzinho Bruno Fiorovanti/Divulgação

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Mumuzinho, 37, diz que já trabalhou com quase todos os ícones do samba e do pagode. E por isso viu o momento como propício para começar a explorar outros ritmos. Na semana passada, lançou a música "Tomara", em parceria com a dupla Matheus e Kauan, sua primeira colaboração com artistas sertanejos.

"Eu já gravei com todos os meus ídolos do samba, só falta o Jorge Aragão", disse o cantor em entrevista por telefone ao F5. "Então, agora estou pegando os amigos, a galera que eu gosto, que eu escuto em casa. Era algo que me cobravam muito."

Quer dizer que na intimidade o sambista também curte uma sofrência? "Eu amo música sertaneja", afirmou. "Sou um cara que não tem muito essa coisa de estilo, tenho que sentir a vibe, sabe? Minhas referências são Zezé Di Camargo, Chitãozinho e Xororó, Leandro e Leonardo, Christian e Ralf, uma galera boa... Da nova geração, gosto de Gusttavo Lima."

Os parceiros aprovaram a empreitada. "Vamos levar alegria à pessoas neste momento tão difícil que estamos passando, e isso é o que a gente sabe fazer de melhor", comemorou Matheus. "Poder cantar ao lado dessa cara tão querido é muito bom", completou Kauan. "Ficamos muito felizes e esperamos que a galera goste e curta muito."

A música é o primeiro single do projeto "Playlist Vol. 2", continuação do EP lançado no começo do ano. O trabalho foi produzido por Bruno Cardoso, vocalista do Sorriso Maroto, e Lelê Gomes, ex-percussionista do grupo. A parceria já havia funcionado nos três primeiros álbuns do cantor: “Dom de Sonhar” (2012), “Mumuzinho Ao Vivo” (2013) e “Fala Meu Nome Aí” (2015).

Além de poder ser ouvida nos serviços de streaming de áudio, a música chegou acompanhada de um clipe que já tem quase 1,5 milhão de visualizações no YouTube. Mumuzinho dirigiu o vídeo junto com Bruno Fiorovanti.

As imagens e figurinos, inspirados na década de 1970, ajudam a contar a história de alguém que está sofrendo por amor e acaba encontrando a pessoa amada na balada. A referência foi o clipe de "Leave the Door Open", de Bruno Mars, Anderson .Paak e Silk Sonic.

O cantor diz que tem se divertido ao fazer clipes, onde consegue exercitar um pouco de seu lado ator. Em diversas ocasiões, ele já comentou que seu sonho era atuar, mas acabou fazendo sucesso na música antes.

Foi assim também no clipe da música "Playlist", que era inspirado no filme "Norbit", no qual Eddie Murphy interpreta diversos personagens. Porém, Mumuzinho acha que não conseguiria aceitar um convite para uma produção longa, como uma novela. "Não teria como conciliar, né? Complicado", afirma.

Mumuzinho diz que não deixou de lançar músicas na pandemia como forma de dar sua contribuição para que as pessoas possam ter um conforto em tempos de pandemia. "É uma forma de dar um combustível para as pessoas que estão em casa", explica.

"A gente vinha se planejando há um tempo para lançar um álbum de inéditas", conta. "Até mudamos o planejamento, mas chega uma hora que não tinha mais como adiar. A gente acabou se adaptando."

O novo trabalho conta, ao todo, com seis faixas. Além da parceira com Matheus e Kauan, ele fez feat também com a cantora Karinah (na canção "Suas Manias") e com o amigo Diogo Nogueira (em "Gente Que Gosta da Gente"). Todas as músicas devem ter clipes lançados na web.

"A gente tem grandes figuras femininas no samba, é muito bom quando surgem novos nomes", diz sobre a curitibana Karinah. "E o Diogo é maravilhoso, sempre foi uma referência de sambista para mim."

Atualmente, Mumuzinho tem mais de 2,5 milhões de ouvintes mensais no Spotify. Além disso, soma mais de 8 milhões de seguidores nas redes sociais. No ano passado, lançou o EP "Mantra", cujo single principal teve mais de 9,2 milhões de plays.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem