Música

Tony Bennett fez novo álbum com Lady Gaga após diagnóstico de Alzheimer

Cantor foi diagnosticado em 2016 e tem música como uma 'terapia'

Tony Bennett com Lady Gaga - Instagram/#tonybennett
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Nova York
Reuters

A família do Tony Bennett revelou que o lendário cantor sofre do Mal de Alzheimer, rompendo o silêncio a respeito de seu estado quatro anos depois de ele ser diagnosticado com a doença progressiva que destrói a memória.

Sua esposa, Susan, disse à AARP Magazine em uma entrevista publicada nesta segunda-feira que o artista de 94 anos, cujo primeiro sucesso, "Because of You", foi lançado em 1951, vem perdendo a capacidade de tomar decisões.

Ele vinha tentando ocultar o diagnóstico na tentativa de continuar trabalhando, contou ela. Apesar do diagnóstico em 2016, Bennett gravou um novo álbum com a cantora Lady Gaga que é esperado para este ano, afirmou a revista e o assessor de Bennett.

O álbum, uma sequência para a colaboração entre os dois artistas de 2014, "Cheek to Cheek", foi gravado entre 2018 e 2020. A AARP Magazine disse que imagens brutas de um documentário mostram Gaga e Bennett, que canta em boa voz, mas às vezes parecendo perdido e perplexo, em uma passagem solo de uma canção romântica.

"Gaga olha adiante, por de trás de seu microfone, seu sorriso começa a estremecer, seus olhos começam a transbordar antes dela colocar as mãos no rosto e chorar", disse a revista. Bennett continua otimista, mas seu estado está se deteriorando cada vez mais, disse sua esposa.

"Ele me perguntava 'o que é Alzheimer?' Eu explicava, mas ele não entendia", explicou ela à revista. Gayatri Devi, neurologista do Hospital Lenox Hill de Manhattan e autor de "The Spectrum of Hope", que trata do Alzheimer, diagnosticou Bennett em 2016.

Devi incentivou enfaticamente a família de Bennett a fazer com que ele continue cantando e se apresentando enquanto ele conseguir desfrutar disso. "Isso o manteve alerta, e também estimulou seu cérebro de uma maneira considerável", disse Devi, segundo citação da AARP Magazine.

A doença torna suas vítimas dependentes de cuidadores, mas até agora Bennett foi poupado da desorientação que às vezes leva pacientes a se afastarem de casa ou sentir terror, fúria ou depressão, disse a AARP Magazine. Ele pode nunca desenvolver esses sintomas. Mas há poucas dúvidas de que a doença havia avançado, disse a revista.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem