Música

Preta Gil e Glória Groove se unem para divulgar clipe e documentário sobre transexuais

Série documental 'Vidas Transversais' antecede clipe de 'Só o Amor'

Glória Groove e Preta Gil
Glória Groove e Preta Gil - Reprodução/Instagram
São Paulo

O novo clipe da música "Só o Amor" de Preta Gil, 45, e Glória Groove, 24, promete quebrar paradigmas. Trata-se de um "manifesto musical" com mulheres transexuais e será estrelado pelas cantoras com participação da atriz Glamour Garcia, 30.

O clipe irá ao ar na próxima quarta-feira (30), mas não virá só. Nesta segunda-feira (28), antecipando seu lançamento, será divulgada a série documental “Vidas Transversais”, dirigida por Rodrigo Pitta e protagonizada por mulheres trans da "vida real". 

Com "Só o Amor" como trilha sonora, os quatro micro documentários de três minutos serão divulgados no YouTube. "O Brasil está no topo da lista de países onde mais se mata transexuais e travestis, mas, ao mesmo tempo, já podemos ver que aos poucos os subempregos, normalmente destinados a esta comunidade, estão dando lugar a cargos em multinacionais, grandes bancos, hospitais, e até no horário nobre da TV aberta, como é o caso da Glamour Garcia, estrela convidada do clipe”, diz Pitta. ​

A música foi encomendada para integrar a trilha sonora da novela “A Dona do Pedaço” e representa a personagem Britney, vivida por Glamour Garcia. Para Preta, "Só o Amor" é um manifesto que inspira respeito ao próximo.

Desde que fui convidada a colaborar com essa canção eu senti que havia uma mensagem mais forte, vivemos uma triste estatística de violência, mas se olharmos para o amor e não apenas para a dor, podemos colaborar para que esses números caiam, para que os transexuais tenham empregos dignos e que possamos nos respeitar cada vez mais ao entendermos que todos temos o mesmo direito de ser feliz ”, afirma a cantora. 

Segundo Glória Groove, a música já é um sucesso no empoderamento de jovens LGBT's. "Diariamente recebo mensagens agradecendo e dizendo o quanto faz a diferença na vida deles o trabalho que venho fazendo, bem como o novo cenário da diversidade na música."

 

"Trabalhos como este refletem e reforçam a necessidade de representar as mais diversas narrativas, para que estes discursos cheguem ao grande público através de nossa arte, que é a música", acrescenta Groove.

A série documental abordará a história da produtora cultural Paola Valentina; a enfermeira Emanuele Bernardo; a gerente de banco Marcela Bosa e a diretora de escola Paula Beatriz, uma em cada episódio. Preta Gil afirma que a música é importante, mas ouvir sobre transexualidade de mulheres reais é essencial.  

“A música fala de uma mulher forte, mas eu quis trazer mulheres trans, verdadeiras heroínas, que estão conseguindo empregos dignos, que estão integradas cada vez mais na vida social por não terem vergonha de ser o que são, por lutarem por seus sonhos e direitos", disse a artista, que afirma buscar fazer uma homenagem positiva a comunidade LGBT.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Mais lidas