Música

Ex-Restart, Pe Lu se descola do pop colorido ao criar duo Selva e focar em música eletrônica

Depois de Matheus e Kauan, o duo eletrônico lança música canção com Di Ferrero

Cantor Pe Lu
Cantor Pe Lu - Reprodução/Instagram
João Victor Marques
São Paulo

Se tem entre 20 e 25 anos, você deve se lembrar de Pe Lu. Ou, melhor: de Pedro Lucas Munhoz, 28. O cantor e compositor ficou conhecido por usar calças coloridas e entoar músicas melosas com a banda Restart, que durou sete anos e teve seu auge em 2010, quando realizava mais de 15 shows por mês.

A música pop radiofônica ficou no passado. Ele aposentou as cores e, agora, se dedica a um novo amor: a música eletrônica. Pe Lu faz parte do duo Selva, ao lado do amigo Brian Cohen. Com agenda de shows movimentada, os artistas aproveitaram o sucesso para lançar uma música inédita por mês. O projeto começou em julho e se estende até dezembro.

Entre as canções está “Tic Tac”, parceria com a dupla sertaneja Matheus e Kauan e que foi disponibilizada nas plataformas digitais em setembro passado. Neste mês, o duo prepara o lançamento de uma canção com Di Ferrero, 34, e outra com o rapper carioca Morcego, sem data ainda. Para eles, um projeto como esse é um enorme desafio pessoal e profissional.

"Eu e o Brian somos compositores por natureza. A gente fica se desafiando um pouco para compor uma canção sempre diferente do que já criamos. E isso envolve mergulhar em projetos doidos, como esse”, conta Pe Lu ao F5, ao revelar ter sido um desafio escrever para o sertanejo.

“A ‘Tic Tac’ surgiu em uma brincadeira de compor uma música sertaneja. Nós mandamos para alguns amigos. Um deles é o empresário de Matheus e Kauan. Ele ouviu e falou: Caralho, isso aqui está animal. Vou mandar pro Matheus’”, contou.

Além de “Tic Tac”, em junho, eles lançaram a instrumental “Amanhecer” e “Lost”. Essa última totalmente voltada para as festas de música eletrônica. Com o ex-vocalista do NX Zero, Pe Lu mantém segredo sobre a nova canção. "Não podemos falar muito ainda, mas é uma faixa que os dois lados amaram muito."

Com a proximidade do verão, o duo prepara a música “When The Sun Goes Down”, que terá vocais de Brian com uma pegada totalmente pop. “Vai ser demais."

O duo tem três anos, mas Pe Lu e Brian são amigos há mais tempos, desde que Brian substituiu Thomas no Restart, quando esse último ficou doente. A formação do Selva aconteceu durante o encontro dos dois em uma festa de música eletrônica. 

Quando saímos da festa, diz Pe Lu, nós estávamos "apaixonados pela parada". "Caraca, isso aqui pode ser o caminho e o lugar que a gente vai conseguir fazer tudo junto", lembra Pe Lu, ao revelar que toda a sua trajetória na dupla é um enorme aprendizado. "Já rolou muita coisa. Nós aprendemos muito. Selva é um aprendizado para mim.”

'SOBRECARREGADO COM RESTART'

Dos 17 aos 24 anos, Pe Lu foi um dos vocalistas da banda Restart e recorda como a banda foi importante para a sua formação pessoal e profissional. "Enquanto nossos amigos faziam faculdade,  almejavam o que queiram para a vida, eu já fazia sucesso, porque isso era um jeito fofo de dizer que a gente trabalhava 12 horas por dia, 30 dias por mês sem parar", diz o música, que relembra que se sentia sobrecarregado.

"Olhando em retrocesso, sim, eu me sentia sobrecarregado. Gosto daquela brincadeira que é: 'Trabalhe com o que você ama, que você vai trabalhar todos os dias de sua vida', que é justamente o contrário do que as pessoas falam", afirma Pe Lu.

Ele diz que entendia o momento pelo qual passava com a banda Restart e, por estar muito envolvido profissionalmente, "você tende a errar um pouco a mão e se enfiar de cabeça". "Os sete anos que a gente ficou no Restart foram todos dedicados à banda. Por isso o sucesso veio, porque é um ciclo vicioso: a gente trabalhava muito, porque a gente fez muito sucesso e porque a gente fez muito sucesso, a gente trabalhava muito."

Se a vida profissional de Pe Lu é agitada há muitos anos, sua vida pessoal parece estar muito mais tranquila. O cantor está casado com a influenciadora digital Nah Cardoso, com quem mantêm um relacionamento de idas e vindas desde a adolescência de ambos. 

Morando juntos há pouco menos de um ano, ele conta que a união foi mais tranquila do que ele imaginava que seria. "Morei por muito tempo sozinho e achava que seria mais difícil para me adaptar. Mas a Natália é muito leve, muito companheira, e a gente se encaixa perfeitamente."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Mais lidas