Música

Biquini Cavadão renova clássicos da banda com parcerias de Matheus e Kauan e Péricles

'Sempre vai ter alguém que vai colocar o polegarzinho pra baixo,' diz vocalista

A banda Biquini Cavadão
A banda Biquini Cavadão - Divulgação
São Paulo

A banda de rock Biquini Cavadão tocava em um de seus shows quando descobriu que na plateia estavam dois fãs tão ilustres quanto inusitados: a dupla sertaneja Matheus e Kauan. "São dois jovens que estão fazendo um sucesso enorme e, de repente, param tudo para ver um show nosso. Ficamos tocados com isso”, conta Bruno Gouveia, 52, vocalista da banda.

A presença surpresa na plateia inspirou um novo projeto: encontros com representantes de estilos musicais diferentes. O Biquini convidou então Matheus & Kauan para regravar a música “Quanto Tempo Demora Um Mês”, originalmente lançada no disco “Ao Vivo”, de 2015. A gravação em estúdio virou ainda um videoclipe que pode ser visto no formato de 360 graus. 

Como fãs da banda, Matheus e Kauan escolheram a música que gostariam de cantar. E não houve problema em combinar as vozes. "Por se tratar de uma balada, a diferença não seria assim tão gritante, não há guitarras distorcidas, por exemplo, e eles se envolveram com a música de tal forma que até reduziram um pouco do vibrato, característica [de voz] mais marcante dos sertanejos”, afirma Gouveia.

O vocalista conta que não tinha muita ideia das músicas e do trabalho deles antes dessa parceria. "Pesquisamos mais e vimos que eles já faziam participações com artistas de outros segmentos. Eles gravaram com Anavitoria, por exemplo. Gravar com a gente não seria um problema para eles".

Como uma banda de pop rock, que teve seu auge nos anos 1980 e 1990, o Biquini Cavadão não é formado por roqueiros radicais e tem diversas canções conhecidas do grande público, como “Zé Ninguém”, “Vento e Ventania” e “Tédio”. Gouveia lembra que a banda também já encarou outros gêneros em tempos passados e nunca sofreu com isso.

Ele lembra que na gravação do segundo DVD da banda em 2008, Claudia Leitte cantou com eles "Romance Ideal", dos Paralamas, e Hudson, da dupla do Edson, fez solo de guitarra em "Revoluções por Minuto", do RPM. O DVD “80 - Volume 2” também teve participação de Tico Santa Cruz (Detonautas) e Egípcio (Tihuana). 

“Existem os roqueiros radicais que torcem o nariz, mas eu ouvi também fãs de Matheus e Kauan falando: ‘nada a ver esse tiozão cantando com vocês”, brincou Gouveia, que está satisfeito com o resultado. “Sempre vai ter alguém que vai colocar o polegarzinho pra baixo”, brincou o vocalista sobre os botões de curtir das redes sociais. 

Gouveia diz que a banda vê a ideia como um projeto paralelo. A próxima missão é gravar outro hit da banda, “Janaina”, com o sambista Péricles. “Não tem previsão para lançar, mas vamos pegando sobras de tempo em meio a turnês. Essa com Matheus & Kauan foi gravada no ano passado, mas não quisemos misturar com o disco do Herbert”, conta Gouveia.

O último disco da banda “Ilustre Guerreiro”, foi gravado só com sucessos dos Paralamas do Sucesso, em homenagem ao vocalista Herbert Vianna, e que também fez experimentações de ritmos. 

A ideia é que a banda consiga gravar com o Péricles até o final de julho para lançar o videoclipe até o fim deste ano. 

Enquanto isso, Gouveia ainda lança o livro autobiográfico "É Impossível Esquecer o Que Vivi" (Chiado Publishers, 454 págs, R$ 50)

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem