Música

Mulher cega processa Beyoncé por falta de acessibilidade do seu site

Portal oficial da cantora não estaria respeitando as leis americanas que tratam do assunto

Beyoncé pode ser obrigada a tornar o seu site acessível
Beyoncé pode ser obrigada a tornar o seu site acessível - Reuters
São Paulo

A Parkwood Entertainment, empresa da cantora americana Beyoncé responsável por produzir o seu site, está sendo processada, nos Estados Unidos, por uma mulher cega. A notícia é do site The Hollywood Reporter.

Ela afirma que o portal oficial da artista não é acessível para pessoas que não enxergam, o que viola as leis americanas de acessibilidade. O site procurou a empresa, que não se manifestou sobre o caso.

A mulher, Mary Conner, pede uma liminar que obrigue o site a ser acessível a todos. Ela também pede uma indenização para quem tenha "sido alvo de discriminação ilegal". Os valores não foram divulgados.

"A única forma de entretenimento que realmente apresenta um campo para os deficientes visuais é a alegria da música", disse, no texto da denúncia, o advogado de Mary, Dan Shaked. "Ela sonha assistir a um show de Beyoncé e escutar sua música. No entanto, quando visitou o site, encontrou inúmeras barreiras que limitavam sua acessibilidade."

Mary Conner diz que, como a página possui apenas "uma exclusiva interface visual", obriga a pessoa cega a ter a ajuda de um ajudante que enxergue. O site apresenta outros problemas. Segundo Mary, os menus são difíceis de achar e há a  a impossibilidade de o internauta utilizar o teclado em vez do mouse.​

 
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias