Música

No ar como Gael em 'O Outro Lado do Paraíso', Sergio Guizé se prepara para lançar 1° disco

O ator Sergio Guizé como Gael em "O Outro Lado do Paraíso"
O ator Sergio Guizé como Gael em "O Outro Lado do Paraíso" - Globo

CRIS VERONEZ
Rio de Janeiro

Cantor e guitarrista da banda de rock Tio Che ao lado dos amigos Leandro Moreti (vocal e guitarra), André Gieswein (baixo e backing vocal), Nego Will (bateria) e Luthi Marques (guitarra), Sergio Guizé, 37, se prepara para lançar o primeiro álbum do grupo "Tudo Sagrado".

"Vai ser o maior prazer lançar este trabalho. Eles são meus melhores amigos. Não temos dia certo para o lançamento porque estou gravando muito, mas estamos pensando em alguma data no final de janeiro”, disse Guizé, em entrevista ao “F5”.

Protagonista da trama de Walcyr Carrasco "O Outro Lado do Paraíso", Guizé tem um ritmo de trabalho alucinante, tendo folga apenas aos domingos. Nos próximos capítulos, seu personagem, Gael, vai arranjar confusão com o cabeleireiro Odair (Felipe Titto). Se não bastasse a banda e as gravações da novela, o ator ainda se dedica à pintura. 

Apesar da vida atribulada, Guizé afirma que pretende finalizar alguns detalhes do álbum, como capa e contra capa, para depois iniciar a divulgação nas plataformas digitais e, finalmente, o lançamento físico ainda no primeiro trimestre deste ano. 

Com uma vasta influência, que vai de Ramones a Jovem Guarda, passando por Bad Religion, Camisa de Vênus, Raul Seixas e Mutantes, a banda do ABC paulista foi formada em 2001, em Santo André (Grande São Paulo). "A gente tem muita influência de Belchior, de Itamar Assunção, muito blues. Tem integrantes que gostam muito de Guns’n Roses, bandas mais modernas, punk rock californiano. Misturamos tudo."

CARREIRA

A carreira musical de Guizé teve início em 1997, quando começou a tocar na banda Ópera Punk, que fazia parte da peça de teatro "Existe Mais Punk do Que Eu?"-, dirigida por Antônio Bivar. “Ficamos viajando com a banda, que eram ex-integrantes de grupos do punk da época retratada na peça [...] Depois, fui chamado para banda Motim Punk, que tocava cover, e numa outra banda que fazia um punk rock mais moderno, mais hardcore. Acabei ficando, e quando começamos a compor as músicas resolvemos mudar o nome para Tio Che."

Apesar da influência do punk, o intérprete de Gael ressalta que Tio Che não se considera uma banda de punk rock. “Rock e punk rock são muito politizados. A gente não se considera uma banda de punk rock porque o movimento punk é muito forte, com vários conceitos. O nosso grupo tem uma ideia mais alternativa, mais rock. A gente falava de política na época em que a banda nasceu e falamos até hoje, mas com bom humor. Para ser punk rock você tem que viver mesmo essa coisa, tem bandas que fazem isso até hoje, desde os anos 1980, e a gente respeita muito."

Sergio  Guizé adianta que o novo álbum da banda Tio Che terá oito faixas. Entre elas, a canção "É Tudo Sagrado", de Mário Bortolotto. "Mário toca essa canção com a banda dele de blues, Saco de Ratos. É uma composição dele, tocada em todos os shows que eu vi da banda. Há uns oito ou nove anos, canto essa música com eles quando estou nas apresentações. E ele me deu para gravar."

Além da emoção de cantar a música de Bortolotto, o ator afirmou que compôs a canção "Desejo", que será a de abertura do álbum. Segundo Guizé, a letra fala sobre desejo em todos os sentidos, isto é, desde daquele de comprar um chocolate ao de querer ser melhor. 

“Geralmente penso em um tema antes de compor. Às vezes leio um livro, e com isso vem inspiração para pintar quadros, além das muitas poesias que leio e das músicas que ouço. Vou juntando tudo”, diz ele, sem esquecer de dar os créditos aos outros integrantes da banda. “Tenho sorte de tê-los. Eles vão pegando o que escrevo e acaba virando música”.

PEGADA ROCK DE GAEL

Além de ser o estilo musical de sua banda, o rock’n roll também está presente no personagem Gael. Segundo Guizé, o ritmo foi um dos que mais ocupou espaço em sua playlist. "Ouço muito Johnny Cash."

O público já pegou raiva do personagem na trama de Carrasco. Com uma grande lista de comportamentos abusivos e violentos em relação a suas companheiras e a seus desafetos, o playboy, segundo o ator, "é um criminoso".

"O peso do personagem tem uma função de denúncia muito importante na trama. As pessoas falam que ele é odiado, mas que acreditam na sua redenção. Aacredito nisso e acho que ele tem que pagar pelos crimes que cometeu, para voltar para a sociedade e tentar fazer o bem. É um criminoso [...] Mas é um personagem pautado pelo amor. Ele ama muito e isso acaba virando uma doença. Depois ele saca que é um crime grave.”

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem