Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Estilo
Descrição de chapéu The New York Times

Romantizando a vida: Como pessoas buscam apreciar o simples do dia a dia

Tendência se fortaleceu na pandemia e se mantém forte dois anos depois

Romantização da vida Moritz Wienert/The New York Times

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Christina Caron
The New York Times

No YouTube, uma cineasta de Utah se bronzeia ao sol da manhã, desfruta de um croissant fresquinho e borrifa perfume de limão sobre uma colcha decorada com rosas cor-de-rosa. Os vídeos dela, uma fuga aconchegante rumo a um mundo singelo, são inspirados por "Anne de Green Gables", os romances de Jane Austen e o drama de época "Bridgerton", e oferecem dicas sobre "como ser mais feliz e apreciar as coisas pequenas da vida".

Outras pessoas usam o TikTok a fim de divulgar rotinas mais agradáveis para o café da manhã, e incentivar a compra de buquês de flores e a prática da gratidão. Rachel Hess, 21, uma criadora de conteúdo no app, usa um rolo de macarrão para amassar folhas de eucalipto e depois as pendura no chuveiro, em um vídeo que foi assistido por 6,8 milhões de pessoas. "Romantize suuuuua vidaaaa", diz a legenda.

"Quero fazer com que mesmo o mais banal dos dias pareça único, porque são dias assim que formam a maior parte de nossas vidas –não as férias, ou os acontecimentos especiais que surgem só de vez em quando", disse Hess, universitária da Pensilvânia.

Nos últimos dois anos, a frase "romantize sua vida" emergiu na mídia social como um apelo à ação, e ganhou popularidade durante alguns dos meses mais sombrios da pandemia. O lema pede que apreciemos aquilo que temos bem diante de nós, e que vivamos com intenção, por mais banais que sejam os nossos rituais cotidianos –um lembrete de que é preciso estar sempre em busca de momentos de beleza, e abraçar o minimalismo.

Vídeos com o hashtag #romanticizeyourlife, a maioria esmagadora dos quais postados por mulheres jovens, foram assistidos mais de 525 milhões de vezes no TikTok. Também há mais de 28 mil postagens se referindo à frase no Instagram, acompanhadas por imagens que incluem crepúsculos à beira da água, jantares servidos com louça elegante e xícaras de chá delicadas.

Embora parte do conteúdo seja claramente aspiratório –nem todo mundo pode fazer uma viagenzinha rápida à Itália ou fugir para um campo florido vestindo roupas delicadas de primavera—, a maioria dos vídeos rejeita o tipo de mensagem que leva pessoas a adquirir coisas materiais. E eles também renunciam à estética "aquela garota", que promove um caminho único para o bem-estar, repleto de sucos verdes, diários e exercício físico.

Um comentarista no Reddit disse ter encontrado alegria até mesmo ao lavar bules de café no escritório. "Depois de colocar um pouco de detergente no bule, comprimo levemente a embalagem para criar bolhas de sabão", escreveu o usuário em um comentário sobre romantizar a vida. "Amo bolhas de sabão".

Outro comentarista do Reddit escreveu que "compro pratos de papel comemorativos na loja de US$ 1,99 (R$ 10) e os uso para comer, quando quero me sentir festivo. Todos eles têm desenhos dos diferentes feriados, ou sereias, robôs, casamentos, ou dizeres como ‘é um menino’. Fico comovido".

Em um canal de YouTube chamado Malama Life, uma blogueira de estilo de vida radicada no Havaí observa os pássaros do lado de fora de sua janela, rega as plantas e fatia suas frutas prediletas para o café da manhã. "Isso me dá motivo para sair da cama de manhã".

Especialistas dizem que a tendência a romantizar pode ter perdurado em parte porque é uma nova maneira de explorar a "mindfulness" –a prática de prestar atenção ao momento presente e de se conscientizar quanto às sensações físicas, pensamentos e emoções de uma maneira não censória. A prática também oferece uma sensação de poder, de controle, que faz muita falta enquanto persiste a pandemia.

"É a prática de ser positivo quanto ao que a vida tem a oferecer, independentemente de as circunstâncias serem aquilo que você imaginava ou desejava", disse Ashley Ward, 26, cujo vídeo de 2020 no TikTok sobre romantizar a vida foi assistido mais de três milhões de vezes. "Não se pode controlar tudo na vida, mas cada pessoa tem controle de como ela vê a situação em que está".

Jake Cohen, 28, autor de livros de culinária cujo vídeo sobre torradas de avocado foi assistido quase 400 mil vezes no TikTok, disse que romantizar "é encontrar meditações em nossos rituais diários".

Algumas pessoas podem considerar a prática como "extravagante e inútil", ele acrescentou, "mas se quero romantizar minha torrada de avocado ou meu pão ázimo, isso é assunto meu, é uma forma minha de trazer mais beleza à minha rotina".

A tendência extrai sabedoria de domínios diferentes, como a "mindfulness", a psicologia positiva e o costume dinamarquês do "hygge", "mas está sendo apresentada de uma maneira envolvente e fresca", disse Eric Loucks, professor associado de epidemiologia, ciência social e ciência comportamental na Universidade Brown, e diretor de seu Mindfulness Center.

As pesquisas de Loucks e seu mais recente livro, "The Mindful College Student", ilustram de que maneira a "mindfulness" pode reduzir o estresse e os sintomas de depressão, e melhorar a qualidade do sono e os níveis de atividade física. "Romantizar sua vida" se entrelaça à "mindfulness", ele acrescentou, em parte ao nos ajudar a encontrar uma sintonia melhor para conosco.

"Se estamos tentando construir uma vida que nos torne felizes e que nos coloque em posição central de uma maneira amável, bem, cada um de nós é diferente", ele disse. "Que métodos ressoam mais? Isso é uma forma de autoconscientização".

Entrelaçada à conversação online sobre "romantizar a vida" está a tendência do "personagem principal" –vídeos com o hashtag #maincharacter já receberam 6,9 bilhões de visitas no TikTok, e uma tendência derivada, a da "energia de personagem principal", também tem muitos aderentes.

O meme sobre o personagem principal gerou numerosas paródias, que zombam dos clichês cinematográficos e do narcisismo. É "uma maneira divertida de minimizar algumas das coisas escrotas que as pessoas romantizam", disse Ward. Mas "ser o personagem principal" também se tornou um lembrete sincero de que a pessoa precisa deixar que suas ações conduzam a narrativa, mais ou menos como aconteceria ao protagonista de um filme.

No vídeo de Ward para o TikTok, a câmera fica posicionada no alto, voltada para uma praia onde ela aparece reclinada sobre uma toalha. A tomada feita do alto transmite que ela é personagem principal, e a simplicidade das imagens permite que sua voz franca ocupe posição central.

"Você precisa começar a romantizar sua vida", a narrativa principia. "Precisa começar a pensar em você como o personagem principal. Porque, se não o fizer, a vida continuará a passar por você. E todas as pequenas coisas que a tornam tão bela passarão despercebidas. Por isso, faça uma breve pausa e olhe ao seu redor, e perceba que é uma bênção para você estar onde está, bem agora".

O áudio de seu vídeo foi usado por numerosos outros criadores de conteúdo, como Angela Liguori, influenciadora e fotógrafa de viagens, que combinou o som a uma montagem de imagens dos locais distantes que ela visita.

"Um personagem principal tem pleno senso de agência e o que a pandemia tirou de nós foi exatamente esse senso de agência", disse a psicóloga Sherry Turkle, professora do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), que pesquisa sobre a relação entre o ser humano e a tecnologia.

Tornar-se o personagem principal também é uma maneira de criar um eu mais autêntico, e de abrir espaço para aquilo que você é, acrescentou Turkle. "Creio que exista uma convergência entre querer mais intensamente encontrar uma identidade –em meio ao nosso isolamento– e afirmar nossa individualidade", ela disse.

Livia Boerger, "coach" especializada em bem-estar mental, em Londres, escreveu sobre as diversas maneiras pelas quais as pessoas podem romantizar suas vidas, e em seu site oferece um desafio de 28 dias para "ajudar a celebrar a ideia de viver por razões menores, e de se apaixonar de novo pela vida".

Durante a pandemia, ela disse, muita gente vinha "procurando maneiras de criar alegria e de encontrar aquela alegria dentro de si, e de aproveitar ao máximo o que cada um de nós tem".

O que também pode conduzir a uma questão mais ampla: o que nos traz felicidade, verdadeiramente? Férias caras ou uma roupa nova? Ou deveríamos parar de esperar por aqueles momentos perfeitos e começar a desfrutar do presente?

"Há muita alegria a encontrar em coisas gratuitas", disse Boerger. Brincar com as crianças na chuva, por exemplo. Ou fazer uma pausa para curtir uma xícara de chá, em lugar de continuar trabalhando enquanto bebe. "O sabor é tão melhor quando seu foco está no chá", ela disse.

Traduzido originalmente do inglês por Paulo Migliacci

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem