Estilo
Descrição de chapéu beleza

Polícia abre inquérito e ouvirá suspeita de racismo em concurso de beleza

Caso aconteceu em competição em Santo Antônio do Amparo, em MG

Maíza Teresa de Oliveira, 19, venceu o concurso Rainha da Cidade em MG
Maíza Teresa de Oliveira, 19, venceu o concurso Rainha da Cidade em MG - Reprodução
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Belo Horizonte

Um concurso de beleza realizado na cidade de Santo Antônio do Amparo (MG) virou caso de polícia. Isso porque um áudio, vazado após o evento, proferiu uma série de ofensas racistas depois de a competição eleger a jovem Maíza Teresa de Oliveira, 19, Rainha da Cidade.

O caso aconteceu na última terça-feira (15), quando uma mulher, identificada como Nair Amélia Avelar Rodrigues, criticou a escolha de Oliveira para o título. “Os pretos é que estão mandando em tudo mesmo. É cota na escola, é cota aqui, é cota ali… E os brancos tão levando tinta."

"Da próxima vez, nós temos que pular num tanque de creolina e sair tudo pretinha, aí pode se candidatar a qualquer coisa que ganha”, continuou ela no áudio que teria sido compartilhado por um aplicativo de mensagens.

De acordo com a Polícia Civil de Minas Gerais, foi instaurado um inquérito para investigar as circunstâncias do fato e se houve crime de injúria racial contra Oliveira. A miss foi ouvida na última quinta-feira (17) e a suspeita foi identificada e dará seu depoimento nos próximos dias.

Em seu discurso, ao ganhar o concurso, Oliveira contou que já foi “muito zoada pela minha aparência, já fui muito zoada pela minha forma de ser e de falar”. A jovem também afirma que ganhar o troféu “é uma conquista muito grande para mim e para vocês, meninas que sentem medo, se sentem inseguras”.

Por telefone, à Globo, o filho da autora do áudio disse que a fala da mãe foi compartilhada fora de contexto. Ele diz que ninguém vai se pronunciar.

ORGANIZADOR COMENTA O CASO

Organizador do concurso, Vinícius Alves Isídio, diretor de Esporte, Cultura e Turismo da Prefeitura de Santo Antônio do Amparo, afirma que já vinha recebendo críticas por mudar o formato da competição de beleza.

"Antes era um concurso para a elite da cidade. Este ano nós chamamos candidatas de todas as classes sociais, chamamos negras, trans, altas, baixas. Buscamos fazer inclusão", disse.

Santo Antonio Amparo fica na região sul de Minas, às margens da BR-381, a 190 quilômetros de Belo Horizonte. O município reúne grandes fazendas produtoras principalmente de café.

Isídio afirma que a vitória de uma negra na competição coroou todo o trabalho feito para transformar o concurso em uma atração que envolvesse toda a comunidade. Sobre a atitude racista, afirmou: "ninguém esperava isso".

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem