Estilo

William Gama, do Amazonas, é eleito Mister Brasil CNB 2020: 'Foi uma quebra de paradigmas'

Concurso aconteceu na noite deste sábado em Brasília

William Gama, representante do Amazonas
William Gama, representante do Amazonas - Luciano Medeiros/Divulgação
São Paulo

William Gama, 22, foi eleito o 13° Mister Brasil CNB (Concurso Nacional de Beleza). Com a vitória, o amazonense vai representar o Brasil na próxima edição do Mister Supranational, na Polônia. Em segundo lugar ficou o Mister Rio Grande do Sul João Henrique Lemes, seguido por Mister São Paulo Thon Oliver (3°), Mister Brasília Luís Gustavo Couto (4°) e Mister Plano Piloto Rafael Gondim (5°).

"Foi uma quebra de paradigmas, fui o primeiro nativo do Norte a vencer, a primeira vez que o Amazonas venceu o concurso. Poder levar um pouco de cada parte do Brasil e representar o Brasil lá fora é uma honra e um privilégio que poucos tem a oportunidade. Usar a visibilidade e a notoriedade de Mister Brasil, para abraçar ainda mais causas sociais e ajudar mais pessoas é um sonho se tornando realidade", diz Gama ao F5.

Ele afirma ainda que alguns Instagramers "me colocavam como um dos favoritos, mas jamais deixei isso me influenciar, sabia que quando chegasse aqui todos teriam as mesmas chances e oportunidades. Fiz uma preparação muito intensa, e estava tranquilo que dei o meu melhor".

Formado em Administração de Empresas pela Universidade Paulista, em Manaus, Gama atua no mercado financeiro, é modelo e influenciador digital. Além da tradicional faixa, o representante do Amazonas também recebeu um cetro, peça exclusiva criada por Tiago Seixas, um prêmio de R$ 5.000 e o direito de representar o país em um dos cinco grandes concursos de beleza masculina do planeta, com todas as despesas pagas.

William Gama afirma estar solteiro e, caso apareça uma boa oportunidade fora de Manaus, ele diz que não haveria nenhum problema em deixar a cidade. "Para onde quer que eu vá, sempre levarei minhas origens, independentemente de onde eu more, vou sempre estar indo visitar Manaus, meus amigos, família.."

Perguntado se ele sofre alguma forma de preconceito por participar de concursos de beleza, Gama afirma que "não se tem mais tanto preconceito como antigamente". "Isso é bom demais. Muita gente se inspira em outros para se cuidar, cuidar da sua estética, corpo, dicas de diversos temas e com todo esse movimento as pessoas passaram a respeitar mais, independentemente se a pessoa é um advogado ou médico."

"O importante é a pessoa fazer o melhor dela nas diferentes áreas em que atua, saber separar os seus afazeres. Não recebi nenhum tipo de preconceito, pelo contrário muitos me incentivaram", acrescenta.

MISTER BRASIL

Neste ano, 40 homens disputaram o posto de mais belo do Brasil. O concurso ocorreu neste sabado (5) em Brasília, com transmissão ao vivo pelo canal do CNB no YouTube, e faz parte do Festival Brasília 60, que terá uma série de eventos em comemoração às seis décadas de existência da capital federal. Além do Mister Brasil CNB, já foram realizados o Miss Supranational Brasil, o Miss e Mister Brasília.

Tal qual as candidatas do Miss Brasil Supranational, que estavam em Brasília na semana passada e celebraram a vitória da representante do Distrito Federal, Deise Benício, todos os cuidados em relação às regras sanitárias por causa da pandemia do coronavírus foram tomadas para a realização do evento.

Diversas etapas do concurso, inclusive a abertura e desfiles de moda noite e moda praia, foram pré-gravados, com o intuito de evitar o tumulto e aglomeração causados em eventos desta natureza.

Os concursos de beleza masculinos ganharam visibilidade nos anos 1990, com o surgimento do Manhunt International (1993), e do Mister Mundo (1996). Depois vieram o Mister International (2006), e o Mister Global (2014). Já em 2016, essa indústria se movimentou com o surgimento do Mister Supranational. O Concurso Nacional de Beleza elege o Mister Brasil CNB desde 2007 e é responsável por enviar representantes brasileiros a todos estes cinco eventos.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem