Estilo

Conheça a marca londrina que vestiu a princesa Diana durante 16 anos

Vestidos Catherine Walker usados por Lady Di estão em exposição no Palácio de Kensington

A princesa Diana em Brasília, durante visita ao Brasil
A princesa Diana em Brasília, durante visita ao Brasil - Lula Marques/Folhapress

Paula Leite
Londres

Quando a princesa Diana visitou o Brasil com seu marido, o príncipe Charles, em 1991, o ateliê da estilista Catherine Walker, que faria o vestido da nobre para a ocasião, recebeu uma mensagem da embaixada britânica no país: nada de trajes verdes, amarelos e azuis (por motivo óbvio demais), nem criações nas cores azul e branca (a seleção brasileira havia perdido para a Argentina recentemente).

Quem conta a história é Said Cyrus, que junto da mulher, Catherine Walker, criou a marca que leva o nome dela em 1977. Os dois vestiram Diana por 16 anos e foram responsáveis por alguns de seus "looks" icônicos, como o vestido preto que a princesa usou para ser fotografada por Mario Testino para a Vanity Fair em 1997, a peça que usou em visita à Arábia Saudita com Charles, em 1986, e o vestido azul de paetês usado em visita a Viena, também em 1986.

Antes de se casar com Charles, Diana trabalhava perto do ateliê de Walker, que fica no bairro de Chelsea, em Londres, e conhecida a butique por ter passado por ela na calçada. Depois que se tornou princesa, passou a comprar roupas feitas sob medida da marca.

Cyrus conta que Catherine tomou as medidas de Diana apenas duas vezes, no Palácio de Kensington, onde ela morava, apesar do relacionamento de mais de uma década entre princesa e estilista. Depois disso, a estilista enviava desenhos das criações à princesa, que fazia anotações nas folhas ("este mas em azul, por favor mude a gola etc.”); prontas, as peças eram enviadas ao palácio e, se necessário, voltavam ao ateliê para ajustes. "Era muito fácil trabalhar com ela", diz Cyrus.

O estilista afirma que ainda tem em sua coleção 16 vestidos feitos para Diana –depois do divórcio da princesa, ela apenas emprestava as peças, em vez de comprá-las. Mais vestidos Catherine Walker usados por Diana estão na exposição "Diana - Her Fashion Story", no Palácio de Kensington, em Londres.

A própria Catherine Walker morreu em 2010, mas o marido Said Cyrus continua a tocar o negócio. A ligação com a família real continua: Kate Middleton já foi vista com peças de lá e sua mãe usou um vestido do ateliê no casamento da filha. Cyrus, porém, não fala sobre clientes atuais do ateliê.

A marca, onde os vestidos, todos sob medida, começam em cerca de 3 mil libras (cerca de R$ 14.500), é conhecida pelos ombros "masculinos" –os costureiros usam técnicas da alfaiataria– e pelos "vestidos-casaco" acinturados, já usados por Kate.

A Catherine Walker também faz vestidos de casamento, mas é improvável que façam o de Meghan Markle, que tem um estilo mais moderno. É bastante possível, porém, que convidadas importantes usem peças da marca.

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem