Estilo

Rita Moreno usa vestido de seu primeiro Oscar 56 anos depois

Em 1962 ela ganhou prêmio como melhor atriz coadjuvante

Rita Moreno no tapete vermelho do Oscar 2018
Rita Moreno no tapete vermelho do Oscar 2018 - REUTERS

São Paulo

Reciclar está na moda. A atriz Rita Moreno, 86, desfilou pelo tapete vermelho do Oscar neste domingo (4) o mesmo vestido que usou em 1962, na sua primeira premiação, quando ganhou o Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por seu papel em "Amor, Sublime Amor".

O vestido de corpo preto e saia com estampas orientais foi adaptado ao seu corpo, 56 anos depois. A versão original contava com uma gola fechada, rente ao pescoço, diferente da atual, que foi modificada para um modelo tomara que caia.

A atriz disse ao Entertainment Tonight que não quis deixar o corte do vestido mais moderno, apenas fez mudanças para que ele lhe servisse. "Ele não precisou ser atualizado, é um clássico", comentou. 


LEIA MAIS:
Retrospectiva do Oscar: a evolução dos looks no tapete vermelho
Relembre os penteados e makes mais marcantes da história do Oscar


Em entrevista ao canal E!, Moreno comentou que o tecido é original do japão. "É feito de obi, que é o mesmo da faixa que as mulheres japonesas usam em seus kimonos. Ele [o tecido] normalmente é dobrado várias vezes", disse ela. 

Quando ela recebeu sei primeiro prêmio, fez um discurso de apenas 15 segundos, que entrou para a história como um dos mais rápidos do Oscar. Ela diz que nunca sonhou em ganhar aquela estatueta. "Eu tinha certeza que ia ser a Judy Garland", disse ela, lembrando da colega indicada pelo papel em "O Julgamento de Nuremberg".

Rita Moreno foi a primeira mulher latina a ganhar os prêmios mais importantes de Hollywood. Nascida em Porto Rico, Moreno ganhou dois Emmys, um Grammy, um Oscar e um Tony. Na premiação deste domingo, Moreno foi convidada para anunciar o Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira. Confira o que mais aconteceu na 90ª edição do Oscar aqui.

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem