Tony Goes

Com festival Tudum, Netflix mostra que os jovens são seu público preferencial

Poucas atrações para maiores de 30 foram apresentadas durante o evento

Maisa Silva durante o festival Tudum, da Netflix
Maisa Silva durante o festival Tudum, da Netflix - Netflix
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Houve um tempo em que a estratégia de marketing da Netflix poderia ser resumida em uma frase: temos de tudo, para todo mundo. Blockbusters de Hollywood. Novelas turcas. Animés japoneses. Sitcoms francesas. Realities mexicanos. Produções originais que concorrem ao Oscar. Até mesmo obscuros filmes de arte brasileiros encontraram guarida na plataforma.

Ao vivo: Acompanhe aqui tudo que rolou no festival Tudum

A variedade continua lá, ainda bem. A Netflix cumpriu um papel fundamental em libertar muitos brasileiros do jugo da indústria cultural americana. Séries como a espanhola “La Casa de Papel” abriram caminho para conteúdos do mundo inteiro, e hoje assistimos a dramas sul-coreanos como se estivéssemos habituados a eles desde criancinhas.

A Netflix segue sendo a maior plataforma de streaming do planeta, com cerca de 210 milhões de assinantes. Mas não é mais a única grande player do mercado. Nos Estados Unidos, concorrentes de peso como a Disney + e a HBO Max vem lhe roubando clientes. Para piorar, a pandemia provocou um engasgo na linha de produção. Reparou como, comparado com outros anos, há menos novidades sendo lançadas a cada semana de 2021?

Tempos difíceis requerem medidas drásticas, e a Netflix já fez sua escolha. Pressionada por uma dívida bilionária, a plataforma resolveu concentrar seus esforços de marketing nos adolescentes e jovens adultos.

Faz sentido. Este segmento do público costuma ser o mais apaixonado. É ele que maratona temporadas inteiras no mesmo dia em que elas são disponibilizadas. Que promove guerras de fandoms nas redes sociais. E que precisa ser fidelizado agora, para manter sua assinatura no futuro.

Foi para essa garotada que a Netflix promoveu, na tarde deste sábado, o festival Tudum, exibido globalmente pelo YouTube. O evento nasceu de forma presencial em São Paulo, em 2020, como uma variante da Comic Con, com painéis com atores e enorme afluência de público. Agora, virtualmente e com três horas de duração, serviu como pré-estreia do que vem por aí até o final de 2022.

Jovens estrelas da plataforma foram convocadas para fazer as honras da casa. Estavam lá, entre outros, a comediante canadense Lilly Singh, que acaba de deixar seu talk show na rede aberta NBC para estrelar um novo programa na Netflix; Finn Wolfhard e Caleb McLoughlin, da série “Stranger Things”, tão crescidos que já devem ter filhos na faculdade; a britânica Nicola Coughlan, de “Bridgerton”; e até a brasileira Maisa Silva, ostentando um inglês perfeito.

Esses anfitriões anunciaram novas temporadas de séries populares, como “Emily in Paris”, ou continuações de filmes de enorme sucesso, como “Resgate 2”. Entre as novidades, o remake da novela mexicana “Rebelde”, cuja versão original marcou toda uma geração, e “Young, Famous and African”, um reality show sobre a juventude dourada de Joanesburgo.

Tudum foi um evento realmente internacional. Além de inglês, os apresentadores falavam português, espanhol, alemão, dinamarquês, japonês, coreano e hindi, provando de uma vez por todas que nenhuma plataforma de streaming é tão cosmopolita quanto a Netflix.

Produções de mais apelo para o público com mais de 30 anos só tiveram lugar no terceiro e último bloco. Novas séries em animação para adultos foram mostradas. A atriz Imelda Staunton, que assume o papel da rainha Elizabeth 2ª na quinta temporada de “The Crown”, fez uma rápida aparição. Também foi exibido um clipe do longa “Não Olhe para Cima”, com Leonardo Di Caprio, Jennifer Lawrence e Meryl Streep.

No entanto, não houve nenhuma menção a “Ataque dos Cães”, “Passing” ou “A Mão de Deus”, filmes de temática 100% adulta com que a Netflix entrará na corrida pelo próximo Oscar. Uma omissão curiosa – ainda mais vinda de uma empresa que produziu títulos de prestígio como “Roma”, de Alfonso Cuarón, ou “O Irlandês”, de Martin Scorsese.

Pelo menos o conteúdo para o pessoal mais velho continua chegando à plataforma. Mas o Tudum deixou claro uma coisa: adolescentes e jovens adultos formam o público preferencial da Netflix. São eles os assinantes que precisam ser capturados agora, e mantidos pelo resto da vida

Tony Goes

Tony Goes tem 60 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem