Tony Goes
Descrição de chapéu Maratona

'Quase Feliz', sitcom argentina sobre a crise da meia-idade, é uma das boas surpresas do ano

Série da Netflix tem traços autobiográficos de seu criador, Sebastián Wainraich

Série "Quase Feliz" (Netflix ) - Divulgação/Netflix

Novelas brasileiras costumam fazer sucesso na Argentina, como "Avenida Brasil" (Globo, 2012) ou "Jesus" (Record, 2018-2019). A recíproca não é verdadeira: apesar de o SBT já ter exibido alguns títulos da teledramaturgia dos nossos vizinhos, nenhum deles emplacou para valer por aqui. Só quando eles ganham remake nacional, como "Carrossel" (2012-2013) ou "Chiquititas" (1997-2001, primeira versão).

O fato é que conhecemos bem pouco da televisão dos hermanos. Uma rara exceção é a série policial "O Jardim de Bronze", que já teve duas temporadas na HBO. Mas agora existe uma sitcom que não só traduz com humor o espírito algo melancólico de Buenos Aires, como também é uma das poucas boas surpresas de 2020: "Quase Feliz", disponível na Netflix desde maio.

"Quase Feliz" foi criada, escrita e estrelada por Sebastián Wainraich, um comediante e radialista bastante conhecido por lá, apresentador do programa "Metro y Medio", na Metro 95.1 FM. O protagonista de seu seriado é uma versão remix dele mesmo: Sebastián, também comediante e radialista, apresentador do programa "En la Mitad de la Vida", na Urbana FM.

O Sebastián da série não só sente que está na metade da vida, aos quarenta e tantos anos de idade, como que sua vida também está pela metade. Ele tem saúde, reconhecimento profissional e um lindo casal de gêmeos, mas lhe falta o amor de sua ex-mulher Pilar (Natalia Pérez). Sua obsessão em reatar o casamento desfeito o impede de estabelecer novas relações, e é daí que vem boa parte da graça.

Também há uma boa dose do sarcasmo judaico, tão presentes nas obras de Woody Allen ou Larry David. Assim como seus congêneres americanos, Sebastián Wainraich transforma seu alter-ego no alvo preferencial de suas piadas cruéis. Por melhor que seja a bebida, seu copo está sempre meio vazio.

A vida entrega oportunidades de mão beijada para o "pelotudo" (marrento) Sebastián, mas ele não consegue enxergá-las. Paquera as mulheres erradas, comete uma gafe atrás da outra e ainda insiste em torcer pelo Atlanta, o inexpressivo time de futebol do bairro portenho de Chacarita.

Enquanto isso, seu produtor –que leva o curioso apelido de Guarda-Sol e é interpretado por Santiago Korovsky, um ator em ascensão no showbiz local– pega todas as garotas que lhe cruzam o caminho.

O elenco coadjuvante reúne alguns dos atores mais importantes da Argentina. A mãe de Sebastián é feita pela veterana Adriana Aizemberg ("O Abraço Partido"). Inés Efrón, que participou da série "A Menina Sem Qualidades", da extinta MTV Brasil, faz a namorada do irmão do protagonista. Juan Minujín, que foi o papa Francisco quando jovem no filme "Dois Papas", encarna Rocha, novo namorado de Pilar. E Dalia Guttman, mulher de Wainraich na vida real, aparece em um episódio como a apresentadora Romina Castro.

Com diálogos cortantes, ótimas atuações, direção precisa e canção-tema da popularíssima banda Miranda!, "Quase Feliz" foi o programa mais visto da Netflix na Argentina por algumas semanas, e ainda está entre os Top 10 de lá.

Também merece ser descoberto pelo público brasileiro, até porque é superior a quase todas as séries cômicas produzidas por aqui. Um pouquinho de quase felicidade é o que estamos todos precisando neste momento.

Tony Goes

Tony Goes tem 60 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem