Tony Goes

Diretora de 'Segunda Chamada', Joana Jabace é um nome que merece atenção

Série sobre colégio público noturno estreia na Globo nesta terça (8)

Da esq. para dir., a autora Carla Faour, a diretora artística Joana Jabace e a autora Julia Spadaccini

Da esq. para dir., a autora Carla Faour, a diretora artística Joana Jabace e a autora Julia Spadaccini Mauricio Fidalgo/Globo

Para se adaptar às novas realidades do Mercado, a Globo vem passando por inúmeras mudanças internas. As mais visíveis pelo público acontecem na parte artística. A maioria dos atores, por exemplo, não é mais contratada a longo prazo, e sim por obra certa. Na dramaturgia, dezenas de autores foram promovidos de assistentes a titulares.

O organograma interno também mudou. Não existe mais a figura do diretor de núcleo, que era responsável, tanto artística quanto financeiramente, por um determinado número de programas. Em seu lugar, agora há o diretor artístico –que, apesar do nome, também cuida dos orçamentos e dos prazos de entrega.

Nesta terça-feira (8), uma nova diretora artística estreará na tela da Globo. É a carioca Joana Jabace, 39, que assina com este novo título a série “Segunda Chamada”. Mas claro que não se trata de uma novata: Joana está na Globo desde 2007, quando entrou na emissora como assistente de direção. 

Formada em jornalismo, Joana trabalhou por muito tempo na extinta produtora Videofilmes. Participou da equipe de documentários como “Fala Tu”, “Babilônia 2000”, “Santo Forte” e “Vocação do Poder”. Mas sentia falta de trabalhar com dramaturgia: quando adolescente, estudou na escola do Teatro Tablado, um centro tradicional de formação de atores no Rio de Janeiro, onde chegou a escrever algumas peças.

“O que me dá mais prazer na direção é a escuta”, conta Joana. "Mesmo no documentário, a gente vai atrás da história e do DNA do personagem que está sendo mostrado. Por isso, eu mantenho sempre os ouvidos abertos, para escutar o ator e deixar o personagem acontecer no set. É um trabalho feito junto com o ator. Faço uma proposta, ouço o que o ator tem a me dizer. Se não, a chama não se acende."

Já na Globo, Joana trabalhou por mais de uma década como assistente da diretora Amora Mautner, de quem é próxima até hoje. Juntas, elas fizeram novelas como “Paraíso Tropical” (2007), “Cama de Gato” (2009), “Cordel Encantado” (2011), “Avenida Brasil” (2012) e “A Regra do Jogo” (2015).

Amora exerceu uma tremenda influência no estilo de Joana. "Ela diz que o ator não está a serviço da câmera: é justamente o contrário. E eu concordo com isso." Joana foi sendo promovida, e sua reputação como boa diretora de atores chamou a atenção de Monica Albuquerque, diretora de Desenvolvimento e Acompanhamento Artístico da Globo. Quando surgiu o projeto da série “Segunda Chamada”, Monica sentiu que era hora de propor um novo desafio a Joana.

Segunda Chamada” foi escrita por Carla Faour e Julia Spadaccini com Maíra Motta, Giovana Moraes e Victor Atherino, e criada por Carla Faour, Julia Spadaccini e Jo Bilac. Uma vez convocada para o projeto, Joana Jabace acompanhou de perto a escrita dos episódios.

A série se passa em um colégio público da modalidade EJA (Educação para Jovens e Adultos). A trama é centrada nas relações entre um grupo de professores (encarnados por atores como Débora Bloch, Paulo Gorgulho, Caio Blat, Talita Carauta e Silvio Guindane) e seus alunos, de idades e origens sociais diversas. O elenco numeroso ainda inclui nomes famosos como Nanda Costa ou Carol Duarte, e novidades como a cantora transexual Linn da Quebrada.

Gravada totalmente em externas, em São Paulo, "Segunda Chamada” obrigou Joana a praticamente se mudar para cidade. Junto com ela vieram os gêmeos José e Francisco, de dois anos de idade. O marido, o ator e roteirista Bruno Mazzeo, vem toda semana visitá-los. 

Mesmo com a estreia de “Segunda Chamada”, Joana Jabace continua em São Paulo, porque já começaram os trabalhos para a segunda temporada. Enquanto isso, um novo projeto já está em gestação: a adaptação para o cinema de um livro escrito por sua amiga Tatiana Salem Levy, baseado em um episódio de sua própria vida.

Tony Goes

Tony Goes tem 58 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem