Tony Goes

É incrível que Caco Ciocler tenha sofrido ataques de internautas

Ator precisou gravou vídeo para explicar suposta 'demissão de funcionária' pelo Twitter

Retrato dos bastidores da gravação do seriado UBS - Karime Xavier / Folhapress

Já sabemos do que o tribunal da internet é capaz de fazer. Munidos de muita desinformação e uma pitada de ressentimento, seus integrantes adoram lançar os réus ao fogo dos infernos, sem ouvir a defesa nem ler direito a acusação. Que se danem todos!

No caso Neymar x Najila, o mais rumoroso dos últimos tempos, a própria equipe do jogador tem feito o que pode para semear confusão e atacar sua adversária nas redes sociais. A estratégia vem surtindo efeito: muita gente já inocentou o “menino” de 27 anos e decretou que a moça é uma vigarista, ponto final.

Neste sábado (8) aconteceu um outro caso – muito menos grave, é certo, mas revelador. Alguém cuja identidade no Twitter era @karjennerbaiana e estava usando o nome “artístico” de (Rê)Nata Naka (pode muito bem ser um homem) postou o seguinte: "Sem acreditar que, em vez de estar na baladinha e/ou festinha junina, eu tô aqui transcrevendo a porra de filme de Caco Ciocler. Um macho nojento desse. Olha, a vida é um saco”.

Não demorou muito para o ator responder, com elegância ferina: “Rê(nata), vai pra balada! Não vale a pena trabalhar assim, contra a vontade! É estranho você aceitar trabalhar para macho nojento. Depõe contra tua integridade. Pode deixar, vou pedir para o meu produtor procurar outra pessoa. Vai se divertir. Obrigado”.


Demorou menos ainda para o tribunal emitir seu veredito. Caco Ciocler foi criticado por “demitir em público uma funcionária”, uma “produtora de seu filme”. Filme, aliás, que teria sido “financiado com dinheiro público”, que poderia estar indo para creches e hospitais.

As pessoas enlouqueceram? Alguém reclama na internet de um empregador, identifica-o por nome e sobrenome, chama-o de “macho nojento”, e o resto do mundo acha que esse alguém não merece sofrer nenhuma consequência? Especialmente porque o tal do empregador é famoso, ou seja, um “privilegiado”?

A grita foi tamanha que Caco precisou gravar um vídeo (dividido em três partes) explicando que a tal da (Rê)Nata Naka não é sua empregada. Tampouco estava fazendo o chamado “ego search” (procurar pelo próprio nome nas ferramentas de busca). Foram amigos, conhecidos e a própria mídia que correram para avisá-lo do “desabafo” de (Rê)Nata.

Na terceira parte do vídeo, que parece ter sido gravada depois das outras, uma revelação: o sócio de Caco Ciocler lhe garantiu que a pessoa contratada para transcrever o texto do filme não é a misteriosa internauta. O mais provável é que o infame tuíte tenha sido escrito por alguém que nem conhece ninguém ligado à produção. Foi só para zoar. Este anônimo corajosíssimo também correu para deletar toda o perfil de @karjenner no Twitter.

“In dubio, contra reo”: na dúvida, contra o réu. A célebre máxima do direito se inverte na internet, onde todo mundo é culpado mesmo que se apresentem provas abundantes de sua inocência.

Este episódio menor será esquecido em pouco tempo. Mas ele serviu para mostrar como o tribunal da internet não está nem aí para nada. Sim, foi só para zoar. Que se danem todos. Ponto final.

Tony Goes

Tony Goes tem 58 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias