Tony Goes

Bolsonaro se cobre de ridículo ao vetar propaganda inócua do BB

É preciso um parafuso a menos para se ofender com o comercial

Cena de comercial do Banco do Brasil, que foi tirada do ar
Cena de comercial do Banco do Brasil, que foi tirada do ar - Reprodução

Quando saiu a notícia de que o presidente Jair Bolsonaro havia não só mandado cancelar a nova campanha publicitária do Banco do Brasil, como também demitir o diretor de marketing que a aprovou, achei que o comercial censurado trazia alguma coisa de grave.

“Grave”, é claro, para o moralismo raso de Bolsonaro e seus seguidores mais fanáticos. Sim, raso: nesta mesma quinta-feira (25), o mandatário supremo da nação disse, durante um café da manhã com jornalistas, que “quem quiser vir aqui fazer sexo com uma mulher, fique à vontade. Agora, não pode ficar conhecido como paraíso do mundo gay aqui dentro”. Ou seja, turismo sexual no Brasil pode, talkei? Contanto que seja sexo heterossexual.

Concluí que o filme do BB, criado especialmente para celebrar a diversidade racial e sexual dos jovens brasileiros —um segmento cobiçadíssimo por qualquer instituição financeira– mostrasse um “trisal”, um casal de três, como na propaganda recente de uma cadeia de lanchonetes. Ou, talvez, um par de lésbicas trocando um selinho? Dois homens vestindo rosa e embalando um bebê?
 

Nada disso. A peça vetada mostra apenas gente “descolada”, esse termo que os publicitários adoram, mas inexiste na vida real. Tem até um senhor de barba branca. Nenhum deles está fazendo algo mais escandaloso do que dançar no meio da rua. Todos sozinhos, sem agarrar ninguém, nem dando pinta de suas orientações sexuais. E qual deles é a atriz transexual? A que está corrompendo a juventude, tirando um selfie? ​

Para quem achou que o destrambelhado Bolsonaro iria ascender à seriedade que o cargo exige, eis aí a prova em contrário. Quando deputado, ele dizia que as minorias devem se submeter à maioria. Agora no Planalto, o presidente de todos os brasileiros não quer que alguns de seus governados apareçam dançando na propaganda do maior banco do país.

Muitos de seus eleitores votaram em Bolsonaro por puro antipetismo. Alguns acreditavam que a autodeclarada homofobia do então candidato era só “da boca pra fora”, como defendeu Regina Duarte. A atriz se esqueceu de que as palavras também ferem a alma, e que podem incentivar alguém a ferir o corpo de outro alguém. E se fosse racismo? Tudo bem ser apenas “da boca pra fora”?

Acontece que a homofobia de Bolsonaro é para valer. E também muito útil: ela se insere perfeitamente no arsenal que o presidente e seus filhos utilizam para manter a guerra cultural permanente. Como se a maior ameaça ao Brasil fosse o golden shower, ou uma moça negra de cabelos curtos tingidos de louro.

É patético que tenhamos que perder tempo discutindo “boutades” enquanto o desemprego não diminui, o dólar sobe e a imagem do país despenca no exterior. Mas este é o presidente que 60% dos eleitores brasileiros cravaram nas urnas. Temos o que escolhemos. Temos o que merecemos.

Tony Goes

Tony Goes tem 56 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.blogspot.com

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem