De faixa a coroa

Miss Brasil Júlia Gama fala sobre carreira e o impacto do coronavírus na China

Vencedora do Miss Brasil Mundo 2014 vive no país asiático há quase 4 anos

A gaúcha Júlia Gama após vencer o título de Miss Brasil Mundo 2014 - Arquivo Pessoal

A gaúcha Júlia Gama, 26, acompanha apreensiva a situação do Brasil durante a quarentena do novo coronavírus. Mas ela também acompanha com a mesma apreensão a situação da China, primeiro país a registrar surto da doença. Isso porque a vencedora do Miss Brasil Mundo 2014 mora há quase quatro anos no país asiático.

"É triste ver esse momento da humanidade. Assim que eu soube da crise na China, fiquei impactada emocionalmente. Além de ver o povo chinês sofrer, vi meu mercado e minha vida entrando em um mar de incertezas", conta ela à coluna, diretamente de Guangzhou, onde fica seu apartamento.

Felizmente, Gama não vivenciou o pico da doença na China, e nem no Brasil, apesar de ter visitado amigos e parentes recentemente. A miss acabou voltando à China antes de o isolamento social ser estabelecido para os brasileiros.

"Fui muito abençoada, pois a notícia estourou na China apenas dois dias depois de eu chegar no Brasil. E ainda voltei para China três dias antes de começar a quarentena no Brasil. Mesmo assim, vivi meses de angústia e aflição pelo momento crítico do país em que estou vivendo e ainda estou sofrendo, pois minha preocupação segue agora com os brasileiros", relata.

Gama considera que o gerenciamento da pandemia na China foi linha dura, porém ideal. Ela está vivenciando agora o fim da medida, e explica a retomada de rotina tem sido gradual e que os cuidados de higiene e distanciamento social seguem. Isso para não desperdiçar os avanços e conquistas desse processo. Afinal, diz ela, o vírus não acabou e o medo ainda existe na população.

A miss afirma que imaginava que o vírus chegaria ao Brasil, mas tinha esperança de que ele não fosse tão resistente ao calor e que os impactos fossem menores. Em paralelo, mostra preocupação com a forma como a quarentena está sendo encarada em seu país natal: "A prioridade deveria ser a vida sem questionamento, impaciência ou angústia de querer priorizar o negócio ou as relações."

"É hora de pensar no todo, com senso de comunidade e responsabilidade social. Pelo que pude ver na China, a situação ainda pode piorar muito. Nenhuma crise financeira vale a vida das pessoas. Os brasileiros acham que a quarentena vai acabar e vão fazer churrasco, festa e celebrar. Vai demorar para todo mundo se abraçar, para voltarmos ao fluxo normal, se é que isso vai acontecer", alerta.

UMA GAÚCHA NA CHINA

Muita coisa aconteceu até a modelo ir parar na China. Gama era estudante de engenharia química na Universidade Federal do Rio Grande do Sul quando, incentivada por uma amiga, inscreveu-se na etapa gaúcha do Miss Brasil Mundo 2014. Ela nunca tinha usado maquiagem ou salto alto, mas usou suas aptidões matemáticas a seu favor, traçou um plano e conquistou a coroa.

"O mundo miss mudou minha vida 1.000%, pois essa experiência explodiu dentro de mim um furacão adormecido. Meu objetivo principal era crescer e desenvolver o máximo de habilidades possíveis. Entrei no teatro, fiz inglês e espanhol, além de outros cursos. Aí, eu ganhei o Miss Brasil e entendi que teria chance de conquistar todos os sonhos que eu transformasse em um plano de ação", relembra.

Pouco depois de vencer o nacional, a então estudante teve seu primeiro contato com o universo chinês. Ela foi passar um mês no país asiático com o treinador de misses venezuelano Alexander Gonzalez, que já morava por lá. Seu objetivo era se preparar para disputar o internacional Miss Mundo, mas acabou se encantando com tudo que viu.

"Fiquei maravilhada durante o mês que fiquei em treinamento. Logo em seguida fui para Londres disputar o Miss Mundo e nunca imaginei que um dia voltaria. Mas eis que a Balincan, uma das maiores empresas chinesas de spas e cosméticos, me chamou para gravar um comercial em 2016. Eu vim, deu tudo certo, e esse trabalho rendeu um contrato para ser embaixadora e porta-voz internacional da marca", conta sobre o momento atual.

Além de trabalhar com a Balincan e modelar, Gama batalha para construir sua carreira de atriz, já iniciada no Brasil. Segundo ela, o mercado dramático local não é muito aberto a estrangeiros, mesmo assim foi atrás e já conseguiu trabalhos. Gama atuou ao lado de grandes atores chineses em dois filmes, que têm expectativa de lançamento ainda para este ano.

"Um dos primeiros pontos que me levaram a querer estar aqui foi a segurança do dia a dia, sem falar o fascínio que eu tenho pela cultura chinesa. O povo teve uma receptividade e carinho enormes comigo, e eu sou muito grata por isso, além da oportunidade de aprender tanto sobre a cultura deles. Estando aqui, meu objetivo é cada dia mais me posicionar como uma ponte de troca cultural entre a China e o Brasil, para que ambos estejam mais perto, se entendam mais e tenham mais empatia um com o outro."

De faixa a coroa

Fábio Luís de Paula é jornalista especializado na cobertura de concursos de beleza, sendo os principais deles o Miss Brasil e Miss Universo. Formado em jornalismo pelo Mackenzie, passou por Redações da Folha e do UOL, além de assessorias, como a da Fox.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem