De faixa a coroa

Brasileiro fica em segundo lugar no Mister Supranational 2019; concorrente dos EUA vence

Concurso aconteceu na tarde deste sábado (7), na Polônia

Concorrente dos EUA, Nate Crnkovich, 24, leva o título de Mister Supranational 2019
Concorrente dos EUA, Nate Crnkovich, 24, leva o título de Mister Supranational 2019 - Divulgação

Bateu na trave! O carioca Ítalo Cerqueira, 27, ficou em segundo lugar no Mister Supranational 2019, que aconteceu na tarde deste sábado (7), na Polônia. O grande vencedor do show foi o norte-americano Nate Crnkovich, 24, que deixou para trás outros 39 candidatos que disputavam o título. 
 
Em terceiro lugar ficou para o Mister Peru, Alonso Vivanco, 32, seguido pelos misters Polônia e Venezuela, respectivamente na quarta e quinta posições. 

O concurso é a versão masculina do Miss Supranational, que aconteceu na noite desta sexta (6) e foi vencido pela tailandesa Anntonia Porsild, 22. A catarinense Fernanda Souza, 24, representante do Brasil, não foi classificada entre as semifinalistas.
 
Natural do estado de Nebraska, Nate é modelo e recebeu a faixa das mãos de seu antecessor, o indiano Prathamesh Maulingkar. Ele é agora o quarto ocupante do posto, que também já pertenceu ao mexicano Diego Garcy (2016) e ao venezuelano Gabriel Correa (2017).


Nate levou para casa um prêmio avaliado em US$ 15.000 (cerca de R$ 62.000), e vai ficar morando durante um ano na Europa, além de assinar contrato com a organização do concurso durante o período.
 
Nas perguntas finais do Top 5, o brasileiro foi questionado sobre bullying, e respondeu em espanhol. Cerqueira, que é sargento do Exército, se tornou, no início de setembro, o primeiro negro Mister Brasil CNB. Ele também foi o primeiro representante da Paraíba e da região Nordeste a vencer o nacional (ele representou a Paraíba, apesar de ser carioca).

“Não existe padrão de beleza único ou certo no Brasil. Não é só homem branquinho de cabelo liso que é bonito. Acredito que a beleza depende mais da essência da pessoa do que do seu exterior”, disse à época em entrevista ao F5
 

PRIMEIRO MISTER BRASIL CNB NEGRO

 Dos 40 candidatos da disputa nacional, apenas 12,5% eram negros, representados por cinco rapazes. Nesse grupo, além de Cerqueira, estavam o Mister Rio Grande do Sul, Thales Machado; o Mister Fernando de Noronha, Cuca Souza; o Mister Grande Belém, Jonas Rodrigues; e o Mister Guamá (PA), Gilberto Melo --nenhum deles se classificou entre os dez finalistas.

No ranking dos 15 vencedores do Mister Brasil CNB, até então todos brancos, São Paulo aparece com o maior número de vitórias (4), seguido por Rio Grande do Sul (3), Distrito Federal (3) e Rio de Janeiro (2). Entre as descobertas do concurso nacional estão os atores globais Anderson Tomazini (o Xodó, de “O Outro Lado do Paraíso”) e Lucas Malvacini (o Anjinho, de “Amor à Vida”), os ex-BBBs Jonas Sulzbach, Rodrigão e Eliéser, e o modelo internacional Lucas Gil.
 
Assim como o feminino Miss Brasil Mundo, o Mister Brasil CNB é licenciado oficial da Miss World Organisation, que realiza o Miss Mundo e o Mister Mundo. A avaliação dos rapazes segue os moldes do Mister Mundo (ou Mister World, no original), com provas preliminares classificatórias. 

Os misters participaram de desfiles de moda praia e noite, prova de talentos, além de uma entrevista preliminar. Outro desafio que valeu pontos foi a apresentação e defesa de um projeto social, que deve ter sido idealizado e executado pelo próprio mister em sua região de origem.
 
Com o resultado final, não apenas o vencedor tem chance de representar o Brasil, pois a organização envia outros candidatos bem classificados para os principais concursos masculinos ao redor do planeta. Além do Mister Mundo, entram aí o Mister Supranational, Mister Global, Manhunt International, Mister International, entre outros.

De faixa a coroa

Fábio Luís de Paula é jornalista especializado na cobertura de concursos de beleza, sendo os principais deles o Miss Brasil e Miss Universo. Formado em jornalismo pelo Mackenzie, passou por Redações da Folha e do UOL, além de assessorias, como a da Fox.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem