Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Zapping - Cristina Padiglione

Orçamento, calendário e pandemia reduzem duração de novela das nove

'Um Lugar ao Sol' ganha data de estreia: folhetim terá só cinco meses no ar

Um Lugar ao Sol, novela
Cauã Reymond e Alinne Moraes gravam a novela Um Lugar ao Sol, da Globo - @alinnemoraes no Instagram
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Com estreia definida para 8 de novembro, “Um Lugar ao Sol”, primeira novela de Lícia Manzo na faixa nobre, terá 107 capítulos e será o folhetim mais curto do horário das 21h (ou 20h30, como acontecia antigamente), desde "O Fim do Mundo" (1996), que teve 35 capítulos e está mais para série do que novela.

A coluna apurou que as dificuldades de gravação na pandemia, assim como as conveniências sobre as estratégias de calendário de lançamentos da programação, pesaram para a definição do tamanho da trama. Mas a questão orçamentária pavimentou a decisão.

Com gravações iniciadas no início de 2020, quando a equipe chegou a viajar para Praga, onde gravou uma sequência inicial da história, a novela foi interrompida em março, obedecendo a toda a paralisação de produções naquele momento, e só foi retomada depois de agosto, com todos os protocolos sanitários.

Entre idas e vindas, gravações interrompidas e retomadas, a produção, protagonizada por Cauã Reymond, somará quase dois anos de gastos, já que é preciso manter sob contrato uma série de profissionais, inclusive atores pagos por obra certa. Optou-se então por condensar uma duração que normalmente ultrapassaria seis meses no ar para um número menor de horas, permitindo que as gravações se encerrassem até novembro.

Na versão original, o enredo teria mais de 130 capítulos. Chegou-se a cogitar a redução da duração de cada episódio, nos moldes do tamanho de um capítulo de novela das seis, que soma quase 30 minutos sem os comerciais, quase metade do tempo de um episódio de novela das nove. A ideia seria espichar o rendimento da história no ar, mas a alternativa foi descartada.

“Um Lugar ao Sol” ficará no ar portanto até março, acelerando a estreia de “Pantanal”, primeiro projeto inteiramente tocado pela nova gestão do entretenimento da Globo, sob o comando de Ricardo Waddington, e já em gravações.

Para Lícia Manzo, que faz com "Um Lugar ao Sol" a sua estreia como titular de novela das nove, acaba sendo um ganho a chance de contar uma história de modo mais enxuto, diminuindo o risco de "barrigas", jargão usado para denominar as conhecidas enrolações de uma telenovela de 150 a 180 capítulos.

Aliás, não é de hoje que autores de novelas vêm reivindicando novelas de duração menor, até em função da multiplicidade de telas que concorrem com a TV tradicional.

Zapping - Cristina Padiglione

Cristina Padiglione, 50, é jornalista e escreve sobre assuntos relacionados à televisão. Ela cobre a área desde 1991, quando a TV paga ainda engatinhava. Ela passou pelas Redações dos jornais Folha da Tarde (1992-1995), Folha (1997-1999) e O Estado de S. Paulo (2000-2016), entre outras publicações. Ela também tem o blog Telepadi (telepadi.folha.com.br), hospedado no site da Folha.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem