Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Zapping - Cristina Padiglione

Dos dez títulos mais vistos do GloboPlay nos EUA, 7 são de filmes brasileiros

Plataforma ser torna bom negócio para imigrantes naquele país

Adriana (Giovanna Antonelli, ao centro), sua irmã Luiza (Fabíula Nascimento, à esq.) e sua funcionária doméstica (Thalita Carauta) utilizam chapéus grandes para espionar o marido de Adriana em um cruzeiro, em cena do filme 'S.O.S. - Mulheres ao Mar 2' - Divulgação
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Presente nos Estados Unidos desde janeiro de 2020, o GloboPlay virou uma opção muito melhor que o canal da Globo Internacional no quesito de custo-benefício para os imigrantes brasileiros naquele país. O menu local abrange também as produções e coproduções da Globo Filmes, que hoje soma 151 títulos, entre ficção (105) e documentários (46).

Das dez atrações mais vistas pelos assinantes locais em julho, sete são de filmes produzidos, coproduzidos ou apoiados pela Globo Filmes.

O catálogo também tem filmes brasileiros de outras produtoras, mas mais da metade do pacote do gênero vem do braço cinematográfico do próprio Grupo Globo.

Encabeçando a lista dos mais vistos, estão “S.O.S. Mulheres ao Mar 2” e “Muita Calma Nessa Hora”. Recentemente a plataforma de streaming também começou a transmitir sete canais ao vivo para o público norte-americano.

Zapping - Cristina Padiglione

Cristina Padiglione, 50, é jornalista e escreve sobre assuntos relacionados à televisão. Ela cobre a área desde 1991, quando a TV paga ainda engatinhava. Ela passou pelas Redações dos jornais Folha da Tarde (1992-1995), Folha (1997-1999) e O Estado de S. Paulo (2000-2016), entre outras publicações. Ela também tem o blog Telepadi (telepadi.folha.com.br), hospedado no site da Folha.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem