Colo de Mãe

Preparar a lancheira dos filhos é se reconectar à herança familiar e à cultura

Comer bem é entender sobre o que colocar no prato e como isso afeta a todos

Konstantin Yuganov/stock.adobe
Descrição de chapéu Agora

Sou filha de uma doceira. Minha mãe é uma cozinheira de mão cheia. Faz bolos maravilhosos e também arrasa nos salgados. Minhas meninas adoram as comidas da avó e, consequentemente, são muito ligadas à culinária. Amam ir para a cozinha.

Quando eu era adolescente e minha mãe queria me passar o seu ofício, eu torcia o nariz. Mas ela insistiu. O resultado foi que, na faculdade, eu era uma das poucas que sabia cozinhar —Dani, que morou comigo, também cozinhava muito bem. E saber cozinhar é muito importante quando se mora longe da família.

O fato é que a vida nos molda e, mesmo antes de ser mãe, eu entendi o quanto é importante nutrir uma família. Foi por isso que me dediquei a amamentar minhas duas meninas em livre demanda, exclusivamente no peito por seis meses, mesmo trabalhando de dia, de noite, de madrugada, aos sábados, domingos e feriados (vida de jornalista!).

Nas minhas pesquisas sobre alimentação, descobri que o leite materno era o alimento mais completo do mundo e o segundo seria a água de coco. E dá-lhe água de coco nas duas meninas que, hoje, torcem o nariz para essa delícia.

Sempre rimos dessa história e de como as mães são todas malucas na hora de oferecer comida para os filhos. E, mesmo com as recusas de minhas meninas a vários alimentos, eu insisto. Sigo o exemplo de minha mãe. Minhas filhas, assim como muitas crianças, também dão trabalho para comer e selecionam os alimentos. Preferem doces a frutas, legumes e verduras. É normal.

Mas eu insisto. Insisto porque comida é afeto, é cultura e é herança familiar. Nessa meta de insistir no melhor alimento para elas, tenha visto o quanto a lancheira escolar é importante para moldar os hábitos alimentares.

Minha caçula começou a levar lanche neste ano para a escola. Onde ela e a mais velha estudam, há um programa nutricional no qual, nos primeiros anos, quem nutre a criança é a escola. Agora, aos sete anos e no segundo ano do ensino fundamental, preparamos o lanche juntas. Eu e a pequena. Ou eu e a mais velha que, aos 13, já é escolada nesse negócio de levar lanche.

Nessas horas, percebo o quanto a comida nos une e pode se tornar mais um momento de colecionar lembranças. Não só a experiência à mesa, mas também a possibilidade de preparar o seu próprio alimento é importante. Não é fácil fazer a lancheira diária, mas é um momento de se reconectar com o filho e encher o dia a dia dele de afeto, mesmo longe.

Agora

Colo de Mãe

Cristiane Gercina, 41, é mãe de Luiza, 13, e Laura, 8. É apaixonada pelas filhas e por literatura. Graduada e pós-graduada pela Unesp, é coordenadora-assistente de Grana do jornal Agora, empresa do Grupo Folha. Quer ver o desenho do seu filho publicado na coluna? Envie-o para o e-mail colodemae@grupofolha.com.br com nome completo e idade da criança, nome e celular do responsável.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem