Bate-Papo na Web
Descrição de chapéu Agora

As fake news dos memes moram nos detalhes

Perceba as contradições e as intenções por trás de uma figurinha 'inocente'

Muitos memes circulam pelo WhatsApp - Reuters
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Agora

Está circulando pelo WhatsApp um meme com os seguintes dizeres: “Março 2020/ Fique em casa para achatarmos a curva, ter tempo de prepararmos o sistema de saúde e não entrar em colapso”. E logo abaixo: “Março 2021/ Fique em casa porque o sistema entrou em colapso (não fizemos nada, usamos o dinheiro para outra coisa, mas a culpa é sua e você terá que pagar)”.

Muitas vezes, como nesse caso, a notícia falsa (fake news) não é tão escancarada. Parte de um enunciado verdadeiro (realmente falou-se isso há um ano) para tentar levar quem lê a uma conclusão falsa (os hospitais de campanha deveriam ter ficado abertos), usando para isso o cansaço com a quarentena prolongada.

Então, para quem cai nesse tipo de coisa, vamos desenhar: a maior prova de que o isolamento social funciona foi justamente que o sistema de saúde não entrou em colapso no ano passado. E, até conseguirmos vacinação em massa, não tem outro jeito: quem puder precisa sim ficar em casa.

Quando mais gente conseguia ficar em casa porque tinha auxílio emergencial, após a explosão dos casos (com o pico em julho), o número de mortes começou a diminuir. Em novembro, chegamos a registrar média móvel (semanal) de cerca de 300 mortes por dia.

O que aconteceu depois? Festas de final de ano, aglomeração nas praias e bares, Carnaval, festas clandestinas. Resultado: média móvel de mais de 2.000 mortes atualmente, batendo recordes a cada dia, e colapso no sistema de saúde.

Quando os hospitais de campanha não estavam mais sendo utilizados e se achava que a pandemia estava caminhando para o fim, eles foram desmontados (por todos os níveis de governo: municipal, estadual e federal).

Hospitais de campanha são estruturas caras e não teria sentido mantê-los abertos sem necessidade, quando os hospitais “normais” já estavam dando conta. Isso não significa que não houve desvios, há várias denúncias sendo apuradas –se forem comprovadas, que os responsáveis paguem.

Mas esse não é o ponto aqui, percebe? A mensagem quer induzir o ódio: “não fizemos nada, mas a culpa é sua e você terá que pagar”.

O fato é que a frase “não fizemos nada” tem algum sentido. Sim, muita gente não fez nada, viveu a vida normalmente, como se não houvesse amanhã. Também não foi feita uma campanha nacional de conscientização sobre a importância do uso de máscaras, da vacina, do isolamento social. E agora estamos todos pagando por isso.

Bate-Papo na Web

Alessandra Kormann é jornalista, tradutora e roteirista. Trabalhou sete anos na Folha.
Desde 2005, é colunista do Show!, do jornal Agora.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem