Bate-Papo na Web

Documentário 'A Vida em um Dia 2020' é cápsula do tempo visual

Filme mostra momentos do cotidiano de pessoas em todo o planeta

Imagens do documentário  "A vida em um dia 2020", de Kevin Macdonald
Imagens do documentário "A vida em um dia 2020", de Kevin Macdonald - Reprodução/YouTube
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Agora

Vai uma aula de diversidade aí? Estreou no YouTube na semana passada o filme “A Vida em um Dia 2020”, que mostra cenas de um dia na vida de pessoas do mundo todo. Do mundo todo mesmo, ou quase –os produtores receberam mais de 300 mil vídeos de 192 países, e existem de 193 a 206 nações, dependendo de como é feita a contagem.

O resultado é uma amostra impressionante do mosaico humano que habita o planeta Terra. Dirigido por Kevin Macdonald, que já ganhou um Oscar de melhor documentário, e produzido por Ridley Scott, que dirigiu clássicos como "Blade Runner" e "Thelma e Louise", o filme integra o YouTube Originals, a seção de conteúdo próprio e gratuito da plataforma de vídeos do Google (lifeinaday.youtube/intl/pt-BR).

Há dez anos, a mesma dupla lançou “A Vida em um Dia 2010”, que também pode ser visto no YouTube. A proposta é a mesma: as pessoas foram convidadas a filmar pedaços da própria vida em um dia (24/7/2010 e 25/07/2020) e enviar o material para a produção. A diferença é que agora muito mais gente tem smartphones e banda larga, então o material ficou bem mais diverso.

Além disso, 2020 foi marcado pelo começo da pandemia do coronavírus, que infelizmente ainda não tem data para acabar. Mas, embora o tema obviamente apareça em diversas cenas, ele não é o foco. O documentário é também, e talvez principalmente, sobre a vida que continua acontecendo apesar de tudo.

Há nascimentos e mortes. Há casamentos e separações. Há médicos em hospitais lutando contra a Covid-19 e há pessoas aglomeradas como se não houvesse amanhã. Gente de todas as cores e gêneros. Beijos e lágrimas. Encontros presenciais e virtuais. Pequenas e grandes histórias.

Com ritmo frenético, os filmes funcionam como uma cápsula do tempo visual, um caleidoscópio da vida comum de bilhões de pessoas em um mesmo momento da História, dividindo o mesmo pontinho do universo.

Bate-Papo na Web

Alessandra Kormann é jornalista, tradutora e roteirista. Trabalhou sete anos na Folha.
Desde 2005, é colunista do Show!, do jornal Agora.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem