Alexa Salomão

Quero asilo na casa do BBB 20, o lugar mais seguro do Brasil

'A verdade é que não se fala em política no BBB 20'

Elenco da vigésima edição do Big Brother Brasil
Elenco da vigésima edição do Big Brother Brasil - Globo

A moçada do BBB 20 segue dedicada de corpo e alma às pequenas picuinhas do convívio social: conjugar o verbo na primeira pessoa (eu isso, eu aquilo) e a emitir opiniões de relevância duvidosa sobre colegas (fulano isso, beltrana aquilo). Faz parte do show. Aliás, a maior parte desse show.

Enquanto isso, aqui fora, o mundo mergulha em sucessivas crises coletivas que ninguém consegue administrar ou prever desfechos. Fica provado que do amanhã ninguém sabe nada mesmo. Imagino o susto dos recentes eliminados nas duas últimas semanas.

Quem marcou os dias no palitinho sabia que estava perto do Carnaval. Era sair da casa do BBB para cair no bloquinho, afinal, o ano só começa depois –só que não. O fisioterapeuta Lucas foi banido na pré folia, bem no meio de um crise sem precedentes e brigas pelo minguado dinheiro público.

Não há registro de tanta desavença antes de março. Ele pode ouvir o general Augusto Heleno ser flagrado numa transmissão do próprio governo dizendo "fodam-se" aos parlamentares que tentam conseguir uma fatia maior do Orçamento. 
 
Aqui de fora, as pequenas desavenças de sisters e brothers são percebidas como embates entre esquerda e direita, mas a verdade é que não se fala em política no BBB 20. Muita gente especula que foi por recomendação da emissora, após ter de administrar as manifestações no BBB 18 (sim... apurei, pesquisei, porque não vi BBB 18).

Os vídeos estão disponíveis na internet para quem quiser. Tem lá a Mara Telles, doutora em ciências políticas, gritando Fora Temer, em horário nobre, logo após ser eliminada no primeiro paredão. Na época, a manifestação entrou para os Trending Topics do Twitter.  

Três meses depois, em abril, foi a vez de o músico Marcos ​Aurelio Viegas de Carvalho. Além de proferir o mesmo bordão sobre o então presidente, ele ainda emitiu um “eita, p...” por saber pela família, ainda ao vivo na TV, que Lula havia sido preso. A casa do BBB também vai se tornando um refúgio sanitário. 

Bianca Andrade, conhecida como Boca Rosa, deve ter perdido a cor quando foi informada que estava saindo no momento em que identificava a chegada ao Brasil de um contaminado pelo coronavírus, novo agente de uma nova doença, a Covid-19.  Os primeiros casos foram registrados na China em janeiro, quando Bianca ingressava no confinamento. Na sua saída, um mês depois, há risco de o planeta estar à beira de uma pandemia. 

Passada a festa, nesta quarta (26), a Bolsa brasileira mergulhou nas cinzas. Teve uma das maiores quedas da história porque os investidores locais acordaram para os iminentes prejuízos econômicos dessa nova virose.

Com todo o ambiente atual, deu até certa nostalgia do presidente Bolsonaro postando vídeo bizarro do "golden shower". Eram tempos de polêmicas toscas, mas de pouca relevância político-econômica. Neste ano, Bolsonaro compartilhou entre amigos, e vazou para imprensa, um vídeo que convoca o país para uma grande mobilização nacional, em apoio ao governo e contra aflições difusas do Brasil. 
 
No fim, viver na edílica ignorância do que ocorre no mundo, lidando com a pequenez humana do cotidiano, pode ser uma bênção. Talvez resida nisso parte do sucesso da audiência do BBB. Vontade gigante de pedir asilo na casa, hoje talvez o lugar mais seguro para se estar no Brasil. 

Alexa Salomão

Editora de Mercado.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem